Teresina – PI: Rebelião estudantil contra aumento das passagens

https://anovademocracia.com.br/81/02c.jpg
https://anovademocracia.com.br/81/02c.jpg

Teresina – PI: Rebelião estudantil contra aumento das passagens

Print Friendly, PDF & Email

http://jornalzo.com.br/and/wp-content/uploads/https://anovademocracia.com.br/81/02c.jpg

No dia 29 de agosto os estudantes de Teresina, Piauí, tomaram as ruas em protesto contra o aumento da tarifa dos ônibus de R$ 1,90 para R$ 2,10.

Os manifestantes decidiram ocupar a sede do Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (patronal) e deram início a um movimento de pula-catraca nos ônibus.

A tropa de choque da PM foi enviada pela prefeitura contra o protesto e desatou violenta repressão contra os manifestantes, atirando bombas de efeito moral, spray de pimenta e disparos de balas de borracha. Um estudante chegou a desmaiar sob o efeito do gás de pimenta e outro foi atingido por um disparo da PM. Seis estudantes foram presos e vários outros ficaram feridos por agressões policiais.

A juventude de Teresina resistiu com combatividade e vários ônibus tiveram as vidraças destruídas e pneus furados. Centenas de manifestantes se dirigiram à Central de Flagrantes para exigir a libertação dos companheiros presos.

No dia seguinte os estudantes voltaram a tomar as ruas do Centro da cidade em novo e vigoroso protesto. Vários ônibus foram pichados com palavras de ordem em defesa do passe livre, contra o aumento da passagem e de denúncia contra o prefeito Elmano Férrer (PTB).

No dia 1º de setembro, após receberem a resposta de que a prefeitura não recuaria no aumento das passagens, os estudantes piauienses desencadearam novo protesto, que interrompeu o trânsito em todo o Centro da cidade. Vários ônibus tiveram suas vidraças quebradas e um ônibus foi incendiado na Avenida João XXIII próximo ao cruzamento com a avenida Nossa Senhora de Fátima, obrigando a Superintendência de Transportes de Trânsito de Teresina a suspender a circulação das linhas de ônibus.

Em 2 de setembro, quinto dia de protestos, o gerenciamento municipal decidiu suspender por 30 dias o aumento das tarifas. Os manifestantes declararam que irão manter as mobilizações e retomar as manifestações em caso de aumento.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: