USA tortura e acusa denunciante dos seus crimes

https://anovademocracia.com.br/88/15b.jpg
https://anovademocracia.com.br/88/15b.jpg

USA tortura e acusa denunciante dos seus crimes

Print Friendly, PDF & Email
https://anovademocracia.com.br/http://jornalzo.com.br/and/wp-content/uploads/88/15b-6d0.jpg
Manifestação de apoio a Manning

A administração do imperialismo ianque, desde a alta cúpula da Casa Branca até os carniceiros de alta patente que dão as cartas no Pentágono, passando pela elite togada que faz o poder judiciário funcionar a serviço da opressão, perece que não vai sossegar enquanto não impingir toda sorte de exemplares suplícios ao soldado Bradley Manning, a fim de evitar que outros oficiais ou recrutas enveredem pelo mesmo caminho, ou seja, a fim de demovê-los de antemão de denunciar os crimes do imperialismo dos quais são testemunhas oculares e sobre os quais têm acesso a irrefutáveis provas documentais.

Em tempo: Bradley Manning, de 24 anos de idade, é o soldado acusado de ser a pessoa que vazou os documentos secretos do imperialismo ianque sobre as ocupações do Iraque e do Afeganistão que foram tornados públicos pela organização WikiLeaks. Manning está preso desde janeiro de 2010 acusado de nada menos do que 22 crimes, entre os quais “cumplicidade com o inimigo”, “incentivar a publicação de informações na internet, sabendo que seriam acessíveis ao inimigo”, “roubo de propriedade e arquivos públicos”, “utilização de programas não-autorizados com informações confidenciais” e “violação das regras das Forças Armadas”.

A pior acusação, entretanto, é a de “ajudar o inimigo”, o que pode lhe valer uma sentença de pena de morte. Agora o Pentágono colocou em marcha mais um estratagema para reforçar esta acusação.

No início de março, durante uma audiência sobre o caso Bradley Manning em um tribunal militar em Fort Meade, no estado Maryland, o exército ianque veio com a novidade de que o ato de Manning de vazar documentos confidenciais da administração do USA ajudou indiretamente as ações de “terroristas”.

Durante a audiência, a juíza do caso solicitou à acusação que apontasse afinal a que inimigo do USA Bradley Manning teria ajudado. O capitão Ashden Fein respondeu: “a Al Qaeda e a Al Qaeda na Península Arábica”. Para justificar o indiciamento por “ajuda ao inimigo”, o Pentágono sustenta que membros da Al-Qaeda tiveram acesso através da internet aos mais de 700 mil documentos que Manning supostamente entregou ao WikiLeaks.

Nobel da Paz: Clinton ou Manning?

A nova artimanha do Pentágono para tentar agravar juridicamente a situação de Bradley Manning surgiu menos de uma semana depois da publicação de um relatório da ONU atestando tardiamente, bem ao seu feitio – o de ficar no palavrório demagogo e inconsequente –, o que várias organizações internacionais passaram meses denunciando, ou seja, as fortes torturas a que Manning foi submetido ao longo de oito meses no ano passado sem que qualquer “expert” das Nações Unidas se prontificasse a verificar as informações, endossasse os protestos ou quem sabe acusasse Washington de “violar os direitos humanos”, como tanto gostam de fazer quando se tratam de nações exploradas.

O relatório da ONU aponta que Bradley Manning sofreu tratamento cruel, desumano e degradante durante o tempo que passou na penitenciária de Quantico, no estado da Virgínia. Segundo o documento, Manning foi mantido em confinamento solitário em uma cela onde tinha permissão para sair apenas por uma hora diária e era forçado a dormir nu.

“O relator especial concluiu que a imposição de condições punitivas de detenção em alguém que não tenha sido considerado culpado de qualquer crime é uma violação ao seu direito à integridade física e psicológica, bem como de sua presunção de inocência”, diz o relatório da ONU, que, nunca é demais lembrar, é um órgão integrante do imperialismo.

No fim de fevereiro uma outra organização picareta, o Instituto Nobel, sediado em Oslo, na Noruega, anunciou os candidatos ao prêmio Nobel da Paz 2012. Na lista aparecem nomes como o ex-chefe do imperialismo ianque Bill Clinton e entidades como a União Europeia, arcabouço jurídico supranacional usado para azeitar a exploração dos monopólios das potências Alemanha, França e Grã-Bretanha em todos os países europeus.

E quem aparece na lista dos candidatos ao Nobel da Paz lado a lado com estes notórios atores do imperialismo? O jovem denunciante do imperialismo Bradley Manning. Picaretagem pouca é bobagem.

 

 

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: