MG: Professores rechaçam parcelamento de salários

MG: Professores rechaçam parcelamento de salários

Print Friendly, PDF & Email

Em revolta contra a política de “parcelamento de parcelas” dos pagamentos e para denunciar o descaso da gerência mineira com os educadores, os professores das escolas estaduais de Minas Gerais tomaram o centro de Belo Horizonte em protesto no dia 19 de junho

Já em greve desde o dia 11 do mesmo mês, o estopim da manifestação foi a decisão de Pimentel/PT em parcelar a primeira parte do salário dos servidores públicos estaduais, que já estava parcelado em três vezes. Os funcionários do estado mineiro vêm enfrentando dificuldades com o recebimento de seus salários desde fevereiro de 2016, quando os vencimentos começaram a ser parcelados. As parcelas começaram a atrasar ao fim de 2017, antes de chegarem ao cúmulo de dividirem a primeira em três.

Entre os mais prejudicados com a medida, os professores decidiram paralisar suas atividades até que o pagamento integral da primeira parcela ocorra. Segundo a Secretaria do Estado de Educação (SEE), na segunda-feira (18), pelo menos 847 instituições aderiram à greve.

No começo do ano, os trabalhadores da educação já haviam realizado uma greve pelo pagamento do Piso Salarial Nacional para a categoria, que durou 43 dias.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: