Peru: A roupa nova da Velha Democracia

A- A A+

Para o jornalista Arce Borja, de todos os crimes cometidos pelo governo Fujimori, ressalta-se a situação do líder maoísta Abimael Guzmán, o presidente Gonzalo, preso em 1992 e mantido incomunicável, em prisão especial, 6 metros abaixo do chão, na Base Naval de El Callao. Os mistérios envolvendo sua prisão e sua condição atual chegam às raias do surrealismo.

Em seu discurso de posse, o novo presidente do Peru, Alejandro Toledo, no dia 28 de julho de 2001, comprometeu-se a "começar uma luta frontal contra a pobreza e a promover a reativação do país", reafirmando seu compromisso com a democracia e os direitos humanos".

A composição do novo governo, entretanto, não confirma esta afirmação. Apoiando-se na Constituição de 1993 (promulgada após o auto-golpe de seu antecessor Alberto Fujimori em 92), Toledo conservou em postos chaves, antigos ministros fujimoristas, em nada alterando as medidas econômicas e políticas adotadas pelo antigo regime sob as ordens do imperialismo ianque. O ministro de Economia e Finanças do atual presidente é Pablo Kuczynski (ex-assessor econômico de Fujimori e um dos "pais" do plano econômico que levou à miséria 14 milhões de peruanos). O atual presidente do parlamento peruano é Carlos Ferrero Costa, aliado político do presidente Toledo e que aparece ao lado de Montesinos (super-assessor do antigo governo) em vários dos vídeos que revelaram a corrupção e o tráfico de armas sob sua direção durante a gestão fujimorista.

A recente visita de George W. Bush ao Peru foi saudada pela imprensa oficialista como acontecimento de salvação da situação caótica da economia do país (leia-se entrega de milhões de dólares). Na verdade, as razões da ajuda econômica norte-americana ao governo peruano estão voltadas, há muitos anos, a combater a insurgência maoísta surgida em 1980. Agora mais ainda, com o discurso de combate ao narcotráfico, esses recursos são destinados para os operativos, a partir do território peruano, como parte integrante do Plano Colômbia.

A grande imprensa peruana tenta colocar um selo de democrático no governo de Toledo, apesar da manutenção da política econômica e social e da presença, na atual administração, de um grande número de personagens que serviram a Fujimori. Para se definir o caráter da administração Toledo basta examinar seu comportamento frente à situação dos mais 9 mil presos políticos e prisioneiros de guerra que lotaram os presídios no governo anterior. O sistema carcerário, de morte e extermínio, institucionalizado por Fujimori, o isolamento e a incomu-nicabilidade dos presos durante 23 horas por dia, sem visitas, sem acesso a nenhum meio de comunicação e proibidos de exercer qualquer atividade manual ou intelectual, onde a tortura e os selvagens castigos eram práticas freqüentes nos diversos cárceres de segurança máxima, não sofreu qualquer alteração no governo atual, da mesma forma que os grupos paramilitares seguem dominando diversos povoados; milhares de peruanos vivem, ainda hoje, na clandestinidade dentro de seu país, para não serem presos e condenados, enquanto outros tantos estão exilados no exterior para fugir à terrível repressão do Estado, como denunciam organizações de direitos humanos internacionais. Colaboradores de Fujimori/Montesinos, na área militar, permanecem em altos postos e todo o aparato repressivo continua intacto. A repressão contra o povo, longe de ter atenuado, está aumentando. Exemplo recente é a aprovação de leis que caracterizam como crime a simples participação em manifestações políticas públicas, punindo com penas que podem chegar a vários anos de prisão.

A verdade deles

O presidente interino Valentin Paniágua (governo provisório até a eleição de Toledo) criou em 2 de junho do ano passado a "Comissão da Verdade", anunciada com muita pompa, com o objetivo de revelar as atrocidades cometidas contra presos políticos e prisioneiros de guerra e contra a população civil durante o governo Fujimori. Essa Comissão, revalidada por Toledo, é questionada pelos que denunciam e cobram efetiva revelação dos crimes do regime fujimorista. Para Luis Arce Borja, diretor do jornal El Diario Internacional, (www.eldiario internacional.com), proscrito por Fujimori e editado fora do país, a maioria dos membros da "Comissão da Verdade", abertamente ou não, tomou partido ao lado do governo deposto, contribuindo para a execução das ações contrainsurgentes do Estado peruano. O Presidente da Comissão é Salomón Lerner, Reitor da Universidade Católica do Peru, a qual dirige com o Cardeal Luis Cipriani, ambos conhecidos por sua ligação política com Fujimori, segundo Arce Borja. Outros dois membros da Comissão, Carlos Tapia e Carlos Iván de Gregori são conhecidos "sende-rólogos", o primeiro ex-dirigente da Isquierda Unida (Esquerda Unida), apoiador ativo da candidatura à presidência de Alan Garcia e depois de Fujimori, tendo então sido cotado para Ministro do Interior; o segundo é ligado à Fundação Ford, BID e outros organismos financeiros internacionais, também apoiador político do ex-ditador. Rolando Ames, fundador da chamada "Afirmação Socialista" da Esquerda Unida (IU), presidiu a Comissão do Senado, criada no governo de Garcia, para investigar o massacre de 300 prisioneiros políticos em junho de 1986. Para o diretor de El Diario esta foi mais uma comissão de fachada. Outro nome do governo passado é o de Beatriz Alva Hart, vice-ministra do Trabalho de Fujimori, Beatriz Alva Hart. Dentre os restantes membros da Comissão encontram-se ainda cardeais e sacerdotes da igreja católica que historicamente se posicionam com os presidentes da república.

Borja tem denunciado desde 92 as artimanhas de Fujimori, sob orientação da CIA, para atender a principal exigência do imperialismo ianque de acabar com a guerrilha maoísta. A maior façanha do ex-ditador foi a realização do plano para combater a guerrilha do ponto de vista ideológico, apresentando à imprensa mundial, em reunião na sede da ONU em 1993, as chamadas "cartas de paz", que segundo o governo peruano, teriam sido escritas pelo Presidente Gonzalo, propondo conversações de paz com o governo. Apesar das "cartas de paz", que lhe foram atribuídas, a situação do líder maoísta segue envolta em mistério, não se sabendo se continua vivo, já que desde sua prisão nunca mais foi visto a não ser em montagens duvidosas de vídeos, como a série divulgada após a queda de Montesinos. Todos os advogados que se apresentaram durante o regime fujimorista para defender Abimael Gusmán foram condenados à prisão perpétua.

Para Luis Arce Borja, o tratamento desumano dado aos prisioneiros pelo Estado peruano e, particularmente a situação do chefe da guerrilha maoísta, Abimael Guzmán, contrariam abertamente a propaganda sobre o caráter democrático do atual governo. Segundo o jornalista, Guzmán foi visto pela última vez, em abril de 1993, sendo transportado de barco da Ilha de San Lorenzo para a Base Naval de El Callao e, portanto, todas as notícias veiculadas pela imprensa oficialista, especialmente a revista Caretas, sobre visitas feitas a Guzmán no presídio são falsas e fazem parte de um plano sórdido de estabelecer várias versões para esconder a verdade sobre a real situação do líder maoísta. Sobre a "Comissão da Verdade", Arce Borja afirma que ela revela, tanto por seus componentes como por suas atividades, que está destinada mais a apagar pistas da autoria das Forças Armadas dos bárbaros crimes cometidos contra o povo peruano, do que realmente a tratar da verdade.

Pistas que não se apagam

Em artigo publicado no último dia 17 de maio, o jornalista peruano reafirma a hipótese levantada por ele em 1994, onde já assinalava que "as ‘cartas de paz' que Fujimori e Montesinos falsamente atribuíram ao chefe da guerrilha peruana, foram elaboradas sob uma concepção criminosa e sinistra que implicava no assassinato do presidente Gonzalo. Arce Borja denuncia que a probabilidade de Abimael Guzmán ter sido executado clandestinamente depois de abril de 1993, ganha corpo com a publicação de documentos secretos tornados públicos após a queda de Fujimori e seu super-assessor Montesinos. Afirma o artigo que "se conhece agora que as ‘cartas de paz' pedindo uma negociação da guerra popular não foram redigidas pelo presidente Gonzalo como propagandeou o governo. Seu autor, de acordo com uma auto-confissão, foi Rafael Merino Bartet, (funcionário de carreira do Serviço de Inteligência Nacional —SIN), que reinvindica a autoria das mesmas.(Declarações à revista Caretas, 9 de maio de 2002)". Arce Borja assinala que "agora também se sabe que o plano que o SIN elaborou e executou para ‘fazer Gonzalo capitular' se denominou "Aluvião dos Andes" como disse Montesinos, ou "Tempestade nos Andes", como disse Merino à revista Caretas. Segundo a versão de Merino este plano era composto de duas partes. A primeira destinava-se a tirar informações do prisioneiro e a segunda a convencê-lo que sua prisão descabeçara a organização que chefiava e que não lhe restava outra saída senão a capitulação. O propósito político das cartas forjadas era montar a versão de que o líder maoísta renegara suas convicções. Arce Borja denuncia que este plano, sob os auspícios da CIA, foi executado nos porões do SIN e "seus ingredientes foram a tortura, o crime, a montagem de vídeos, a falsificação de cartas e uma abundante publicidade nos meios de comunicação". Toda essa montagem foi patrocinada entre 1990 e 2000 pela CIA que entregou, segundo o jornalista, 10 milhões de dólares a Montesinos para sustentar o trabalho de inteligência nacional, especialmente o plano "Aluvião nos Andes", respaldado pelo governo e as forças armadas. A versão verdadeira sobre a situação do Dr. Abimael Guzmán é omitida através do método de propagandear distintas versões para ocultar a verdade, num velho truque que os exércitos e aparatos de inteligência utilizam já faz dezenas de anos. No jargão militar se denomina "guerra psicológica" ou "guerra de inteligência". As mentiras embaralhadas de Fujimori, Montesinos e Merino buscam criar o caos nesta história, e a partir disto ocultar o desaparecimento do presidente Gonzalo e encobrir a montagem em torno das ‘cartas de paz'.

Toda a polêmica exposta na imprensa peruana, com suas versões desencontradas, em torno da prisão do Dr. Abimael Guzmán, dos fatos que a seguiram e da comprovação de estar ele vivo ou morto, segue, no atual governo de Alejandro Toledo, sem esclarecimento, demonstrando que nada mudou na política de Estado do Peru.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja