Professores desmascaram oportunistas


A substituição do governador Anthony Garotinho por Benedita da Silva não mudou nada para os professores estaduais em greve, a partir de 6 de março desse ano e que durou até o final de maio.

Em novembro do ano passado, a justiça determinou que o governo do Estado do Rio pagasse aos professores estaduais o Plano de Cargos e Salários, com a progressão de 12% de um nível para o outro dos nove níveis da categoria. O então governador, Anthony Garotinho, recusou-se a pagar, alegando falta de verba e, aproveitando-se do período das férias, apostou na desmobilização dos professores. A direção do sindicato, unanimemente, decidiu não negociar com Garotinho e exigir o cumprimento da decisão judicial, iniciando a greve no dia 6 de março desse ano.

A greve entrou pela gestão da governadora-substituta e a diretoria do sindicato se dividiu, com uma parte recuando da posição anterior para negociar com Benedita, que fez uma "maquiagem" na proposta de Garotinho, mantendo a essência, ou seja, arrocho salarial, o aumento parcelado e minguado.

A proposta do governo foi mais uma vez rechaçada pela maioria dos professores e a governadora endureceu apresentando sua proposta: aumento de 12% para professores do nível 1 ao 4 pago em 4 parcelas; professores do nível 5 ao 6 em 8 parcelas; do 7 ao 9 em 12 parcelas, afirmando que era sua proposta final e que não negociaria.

Durante o difícil processo de negociação, a categoria foi surpreendida com a indicação de Anailson Teles, diretor do Sindicato (SEPE), para assessor da governadora, cargo aceito pelo diretor sindical.

A greve foi sendo esvaziada pela diretoria perdida em seus problemas eleitorais e disputas internas, com os professores voltando às aulas, até sua finalização em 26 de maio.

Sente-se no ar, aliás em todo o Brasil, que essa luta não acabou. Basta fazer as contas do aumento dos professores: os salários mais altos do Estado, os de nível 7 a 9 valem hoje, em média 432 reais. Com o aumento da governadora, os professores desse nível estarão recebendo 500 reais em maio de 2003. Não vai dar para esperar.

 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anova[email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin