CIOSL: o imperialismo dirige os sindicatos

A- A A+

Os direitos da classe trabalhadora no Brasil estão sendo todos castrados pelas autoridades governamentais sob o silêncio obsequioso e, muitas vezes, como ativa cumplicidade, como é o caso da Força Sindical. Nenhum desses direitos foram doados aos trabalhadores. Nenhum! Todos foram conquistados com muitas lutas, a duras penas, tendo, inclusive, inúmeros trabalhadores, no campo e nas cidades, pagos com a própria vida as conquistas destes direitos!

Glória eterna a estes anônimos e formidáveis heróis que nunca traíram e negociaram seus ideais.

Até passado recente, antes das Centrais Sindicais brasileiras terem se filiado a Ciosl — Confederação Internacional das Organizações Sindicais Livres (?), víamos a massa trabalhadora brasileira, juntamente com suas lideranças sindicais, lutando, ombro a ombro, pelas conquistas de seus direitos. Fica claro que nessa época já existiam os amarelos, traidores vendidos, mas eram a extrema minoria embora bastante ativos.

E hoje o que vemos?

Assistimos uma aristocracia sindical cínica, corrupta profissional, ocupando avidamente o aparelho burocrático de todas as centrais sindicais nacionais e da imensa maioria dos sindicatos, ganhando polpudos salários, até 10 vezes mais que ganhariam com seus salários profissionais, negociando vilmente os interesses dos associados dos sindicatos que dirigem e conciliando-os com os interesses dos patrões. Para não perder seus cargos, a aristocracia sindical tudo fará.

É importante notar que toda ela, absolutamente toda aristocracia operária, é oriunda e intimamente ligada aos podres, corruptos e enganadores partidos políticos, inclusive os que se dizem "de oposição" e que desavergonhosamente disputam as também podres e corruptas eleições burguesas, mantendo eternamente e co-honestando no poder, a nata da burguesia opressora e exploradora!

Sim! Essa aristocracia que está ocupando todo o aparelho sindical no país não tem o menor interesse em defender os direitos dos trabalhadores, conforme é orientação da CIOSL.

A meta é a conciliação de classe e, de quando em vez, uma pequena reivindicação economicista que não afete os interesses dos patrões. Enquanto isso, ela assiste alegre, dócil e passivamente, quando não ativa cúmplice, ao desmonte dos direitos tão duramente conquistados pelos trabalhadores através de mais de 100 anos de luta.

Para se entender melhor o que representa, como e para que foi criada a CIOSL, devemos nos voltar aos tempos da 2ª Guerra Mundial, durante a qual se estabeleceu uma estratégica aliança política militar entre as nações capitalistas, capitaneadas pela Inglaterra, América do Norte e França e a socialista União Soviética contra o nazi-fascismo e, no meio sindical, resultante da 2ª Conferência Mundial reunida em Paris, de 25 de setembro a 8 de outubro de 1945, foi fundada a FSM — Federação Sindical Mundial.

- "Pela primeira vez na história do movimento operário, uma verdadeira Internacional Sindical é organizada", disse na sessão inaugural o co-secretário geral da CGT francesa M. Benoit Franchon. (O Movimento Operário: O Sindicato, O Partido. Editora Vozes. José Cândido Filho — 1ª Edição, Pág. 99)

Por sua vez a Federação Católica, recebendo orientação do Vaticano, cúmplice que foi do fascismo, permaneceu observadora e depois se transformou na CISC — Confederação Internacional dos Sindicatos Cristãos.

Logo que começaram suas atividades, dentro da FSM se evidenciaram três tendências: Uma de esquerda , formada em torno dos sindicatos soviéticos e da maioria da CGT francesa; outra de direita , formada pela TUC — Trade Unions Congress — inglesa; e outra pretensamente de centro , capitaneada pelo CIO — Congresso das Organizações Industriais dos Estados Unidos, além da CGT italiana, da minoria da CGT francesa, e da CTAL — Confederação dos Trabalhadores da América Latina e sindicatos chineses.

Já em 1948 não existe mais o pretenso centro . Com a radicalização das posições, devido à deterioração das relações políticas entre o campo socialista e o imperialismo, isto é, a chamada Guerra Fria, os sindicatos chineses, a CTAL e as CGT italiana e francesa se juntaram à tendência de esquerda , enquanto o CIO e os sindicatos de Benelux e da Suíça se juntaram à de direita.


A meta é a conciliação de classe e,
de quando em vez, uma pequena reivindicação
economicista que não afete os interesses dos patrões.


 

Em 1949 ocorre uma cisão na FSM. Os sindicatos ianques, ingleses e holandeses se retiram da FSM.

A fim de congregar os sindicatos que haviam abandonado a FSM, foi fundada em 7 de dezembro de 1949, em Bruxelas, a CISL — Confederação Internacional dos Sindicatos Livres, cuja prática fundamental desde os primeiros momentos é o intransigente combate ao movimento comunista. Para os países latino-americanos, a CISL passa a se intitular CIOSL. A CISL mantém três organismos regionais: A ORAF — organização Regional Africana; a ORA — Organização Regional Asiática e a ORIT — Organização Regional Interamericana de Trabalhadores. Todas elas priorizando o combate ao movimento comunista, propugnando o economicismo e a conciliação de classes.

É esta CIOSL que, desde a década de 90, comanda todas as centrais sindicais nacionais como a CUT, a CGT e a FS, levando-as à conciliação de classes, aberta ou secretamente, em torno do anticomunismo no movimento dos trabalhadores, tanto no campo como nas cidades, além de apassivizá-las no desmonte dos direitos das classes trabalhadoras.

Conforme denúncias feitas pela própria CUT, em seu "Caderno de Formação n.º 2 — Centrais Sindicais no Brasil", e confirmado explicitamente nas suas atividades cotidianas: "A relação da CIOSL com os Partidos Sociais Democratas é bastante estreita. Apenas a título de curiosidade basta ver que o secretário-geral da CIOSL sempre assiste, em nome pessoal, às reuniões da Comissão Executiva da Internacional Socialista.

No mesmo "Caderno de Formação n.º 2 da CUT" continua: "A ORIT foi criada com a clara intenção de ser um instrumento na luta anticomunista no seio do movimento operário. E tem permanecido fiel a sua concepção original, apoiando, inclusive, vários golpes de Estado que instituíram ditaduras militares na América Latina, como em 1964 no Brasil".

Continuando, em seguida ainda textualmente: "Mas, durante o governo de Salvador Alende, foi clara a ação golpista da ORIT ao organizar campanhas contra a CUT chilena". Ainda mais: "A ORIT conta ainda com o apoio dos adidos trabalhistas das embaixadas norte-americanas e do Iadesil — Instituto Americano de Desenvolvimento do Sindicalismo Livre, fundado em 1961, pelos Estados Unidos. O Iadesil é uma instituição de treinamento e doutrinação que difunde a visão da CIOSL na América Latina, que procura limitar a ação sindical apenas no campo econômico. Busca a desejável harmonia nas relações industriais e combate a luta de classes. Desenvolve cursos em Porto Rico e nos Estados Unidos, tendo formado milhares de dirigentes sindicais brasileiros". E termina, segundo consta no livro O sindicalismo Americano e a CIA: "A ORIT é financiada também pela própria CIA". (Caderno de Formação, n.º 2, CUT. Páginas 12 e 13).

Pergunta-se: Por que, depois de fazer todos estas denúncias, ela própria, a CUT, se filia a CIOSL?

O que há por traz de tudo isto?

Não é à toa, não nasceu do nada, as não suspeitadas passividades dessa aristocracia sindical.

Tudo isso faz nascer duas novas perguntas:

Por que não se rebelam os trabalhadores?

Já não é tempo para isto?

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Mário Lúcio de Paula
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira