Mesmo sem legitimidade, Peronismo triunfa

A- A A+
O descrédito, por parte da população, das eleições presidenciais na Argentina apontou para uma crise na chamada democracia daquele país. Depois de mais um longo período sofrendo os efeitos da crise que se agravou em 2001, durante o governo de Fernando de la Rua, a população, que ainda acreditava nas eleições, queria mudanças, mas deparou-se com as mesmas e surradas caras de sempre, que não se preocuparam nem mesmo em vestir novas fantasias. 

O número de candidatos, mais de 20, foi o maior de todos os tempos. Novidade mesmo, somente a fragmentação da esquerda eleitoreira argentina, que decidiu, ao invés de se candidatar em um bloco único, lançar candidatos "independentes" ao governo do país, o que não chegou a ameaçar a velha oligarquia que se mantém no poder há várias décadas.

O Partido Justicialista (peronista) lançou, por sua vez, dois candidatos aparentemente concorrentes: o ex-presidente Carlos Menem - que esteve recentemente preso por envolvimento com tráfico internacional de armas - e o ex-governador da província de Santa Cruz (região da Patagônia), Nestor Kirchner.

Apenas alguns dias do primeiro turno da eleição, as pesquisas não apontavam com certeza nem sequer quem iria disputar o segundo turno.

Abertas as urnas, apurou-se um grande número de votos brancos e nulos, além das abstenções verificadas nas seções eleitorais. Os dois primeiros foram Menem, com 24,45% dos votos, seguido por Kirchner, com 22,24%. O segundo turno, disputado em 18 de maio, decidiria qual dos dois peronistas governaria o país que mergulhou 60% da população na pobreza, além do altíssimo índice de 25% de desemprego.

Apesar de ter conseguido a maior votação no primeiro turno, Menem sofria uma grande rejeição, que apontava uma vitória de Kirchner com mais de 70% dos votos no segundo turno. Num ato teatral, Menem (que, assim como FHC, no Brasil, aplicou o mesmo programa ditado pelo FMI à Argentina, que incluiu a dolarização da economia e as privatizações de empresas públicas) renuncia à candidatura, deixando a Kirchner a faixa presidencial e a ilegitimidade de ter sido eleito com apenas 22,24 % dos votos.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja