Tropas de ocupação não conseguem controlar o Afeganistão

A- A A+
No dia 1o de maio, o secretário de Estado ianque Donald Rumsfeld fez uma visita ao Afeganistão, ao fim da qual declarou: "A quase totalidade do país está segura e tranquila." Porém, a realidade é outra. Os ianques não conseguem controlar nada, nem negócios nem pessoas no país, a não ser o governo colaboracionista de Karzaí.

Os Talibãs, antigos governantes locais, recolocaram de pé uma estrutura de comando. Dividiram o país em províncias militares e concluíram a formação de uma frente com seus antigos inimigos: os moudjahiddin e Gulbuddin Hekmatyar. Assim, todos os dias soldados ianques estão expostos ao fogo inimigo. Uma ONG americana, que atua perto da cidade de Gardez, região leste do país, anuncia, cinicamente: "Em nosso ponto de vista, a última semana foi tranquila. Só foram atirados cinco foguetes contra as instalações americanas.".

No sul, tropas da ONU e o exército governamental tiveram que abandonar dois distritos. Em Kabul, um funcionário do governo declarou à imprensa em tom desesperado: "A situação é totalmente sem esperança e se agrava a cada dia." Um pequeno relatório das ações armadas na segunda semana de maio: 

Dia 9

  • Gilani, um aliado fiel do presidente Karzaí, foi liquidado por um grupo de seis homens;
  • na proximidade da embaixada americana em Kabul, uma enorme carga explodiu logo que o secretário de Estado adjunto dos negócios estrangeiros, Richard Armitage, entrou no edifício.

Dia 10

  • O exército americano enviou dois helicópteros fortemente municiados à Khost, região leste do país. Eles deveriam impedir os Talibãs de emboscar um comboio americano. Falharam;
  • possante bomba explodiu na residência do governador da província de Helmand, no sul. Dois soldados afegãos ficaram gravemente feridos.

Dia 11

  • Habibullah, um chefe espiritual que assistia ao presidente Karzaí, foi morto na proximidade de sua mesquita, ao norte da cidade de Kandahar.

Dia 12

  • Duros confrontos no Norte, perto de Mazar-i-Sharif. Seis mortos;
    dois soldados noruegueses da força multinacional de ocupação foram atacados a tiro por desconhecidos. Os dois saíram gravemente feridos.

Dia 14

  • As bases americanas nas províncias de Paktia e Paktika, sudeste do Afeganistão, foram atacadas por foguetes;
  • um pequeno grupo de homens abre fogo sobre um carro da ONU, no sudeste. Dois funcionários da entidade ficam feridos.

A realidade afegã desmente a paz sonhada do protetorado ianque na Ásia Central.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja