Greves sacodem o Peru

Mais de 1,8 milhão de trabalhadores cruzaram os braços no país. Desesperado, Alejandro Toledo decreta "estado de emergência" e suspende liberdades no país.

O presidente peruano
Alejandro Toledo

Nos últimos dias do mês de maio, uma onda de greves e manifestações de trabalhadores vem sacudindo o Peru, mobilizando milhões de pessoas e levando quase todos os dias multidões às ruas das principais cidades desse país. Há também bloqueios de estradas em vários pontos-chave do tráfego local. Sindicatos e associações de trabalhadores rurais, professores e funcionários públicos estão na linha de frente do movimento.

Preocupado com o rumo dos acontecimentos, o presidente peruano Alejandro Toledo decretou, a partir das primeiras horas do dia 28 de maio, o "estado de emergência" (ou de "exceção") no país, suspendendo as liberdades individuais, o direito de livre trânsito e de reunião, entre outros, da população do Peru. Com essa medida, a direção do país passa, efetivamente, às mãos do comandante geral das Forças Armadas, Victor Bustamante, que será encarregado de reprimir as movimentações dos grevistas.

Paralisações

Até o fechamento da presente edição, haviam se declarado em greve geral por tempo indeterminado as seguintes categorias profissionais: os professores e funcionários das escolas estatais (que paralisaram as aulas de mais de 8 milhões de alunos), os pequenos e médios agricultores (incluídos os assalariados rurais) e os médicos, enfermeiros e demais funcionários da rede pública de saúde. Toda essa grande massa de trabalhadores é também reforçada pelo cada dia maior contingente de desempregados peruanos, sem outra saída que não lutar por postos de trabalho. O principal motivo da greve geral é a insatisfação do povo com a administração Toledo. Eleito em meados de 2001, com promessas de recuperar a economia do país e retirar da miséria os mais de 60% dos peruanos que vivem abaixo da linha da pobreza, Alejandro Toledo até agora nada fez de concreto. Suas ações na área social e o apoio que deu às privatizações de estatais têm sido reprovadas por milhões de pessoas.

Repressão

Com a suspensão das garantias individuais, decretada no último dia 28, o governo peruano espera conseguir controlar mais facilmente os protestos que tomam conta do país. A polícia militar e o alto comando do exército local estão autorizados a realizar operações conjuntas - utilizando qualquer meio possível - para normalizar a situação de vários locais, especialmente das estradas, nas quais os manifestantes se concentram para impedir a circulação normal de ônibus e caminhões carregados.

Segundo declarou Alejandro Toledo, "o estado de emergência foi decretado porque tolerância tem limite, e o país não pode ficar mergulhado num caos (...), temos de fazer respeitar as leis no país." Como já é conhecido de todos, no Peru a violência estatal contra o povo é gigantesca, sempre resultado em prisões em massa e até mortes. Os acontecimento verificados na cidade de Arequipa, em abril de 2002, quando milhares de pessoas que se manifestavam contra a privatização de uma empresa estatal de energia foram barbaramente reprimidas a tiros, constituem exemplo brutal desta situação.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin