Espanha: massivos protestos no 14-N

A- A A+
http://www.anovademocracia.com.br/100/20a.jpg
Madri: milhares de manisfestantes protestam durante a 2a greve do ano

Centenas de milhares de manifestantes tomaram as ruas na greve geral do dia 14 de novembro (14-N) no Estado espanhol, desde as Ilhas Canárias até a Galícia, para protestar contra a pilhagem capitalista com que vem sendo atacado o povo espanhol. O contexto que se vive no país ibérico é o presságio de que os ajustes econômicos e o consequente aprofundamento da pauperização dos espanhois não cessarão a curto prazo.

Os setores mobilizados vieram de diferentes áreas de trabalho, como operários, empregados da educação, saúde, empregados públicos dos municípios e dos governos regionais do país, estudantes universitários e de escolas, aposentados; assim como desempregados, organizações de pessoas afetadas por hipotecas bancárias e outras fraudes.

O protesto da população nas ruas foi contundente, resultando, em alguns casos, em renhidos enfrentamentos entre jovens manifestantes e os efetivos policiais, o que trouxe como consequência mais de sete dezenas de feridos e mais de cem presos.

O motivo do protesto é que no Estado espanhol vem sendo derrubado paulatinamente todo o investimento público que se demandou para edificar o ‘Estado de bem-estar social’ que se tem vivido no país há umas três décadas. A retirada progressiva ou abrupta dos subsídios provocou enorme desemprego, reduções na renda de aposentadoria, reduções no seguro desemprego, maior rigor para outorgar benefícios sociais a trabalhadores aposentados e desempregados, redução de até um terço dos salários dos funcionários públicos e aplicação de uma legislação de trabalho que permite as demissões e reduz a quantidade de benefícios de rescisão. Os subsídios das escolas e hospitais sofreram cortes, se retirou o seguro médico gratuito aos imigrantes sem documentação, se despediu centenas de trabalhadores da saúde e da educação pública, entre uma larga lista de cortes de benefícios.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Paralelamente, o Estado espanhol não poupou esforços para assumir as dívidas bilionárias dos bancos espanhois, em uma espécie de "estatização dos bancos", mas apenas para comprar os chamados "ativos tóxicos" bancários - ativos imobiliários sobredimensionados no marco da bolha imobiliária -, ou seja, uma espécie de socialização das perdas dos negócios bancários, enquanto, paralelamente, o Estado transfere o pagamento da crise para cada um dos cidadãos espanhois.

Esta foi a segunda greve do ano, algo incomum na Espanha, pois, historicamente — até dois anos atrás — as greves ocorriam em uma média de quatro anos. Vídeos com imagens das ações grevistas e dos violentos confrontos entre manifestantes e a policía podem ser vistos no blog da redação de AND (anovademocracia.com.br/blog).

A Europa parou para protestar

http://www.anovademocracia.com.br/100/20b.jpg
Portugal: protestos se tornam mais massivos e redicalizados

Além da Espanha, no 14-N a Europa parou diante da greve geral e dos protestos realizados também em Portugal, Grécia, Itália, França, Bélgica, etc. Nestes países, milhares de trabalhadores e jovens foram às ruas contra as medidas de austeridade impostas pelas gerências de turno a mando da "troika" (grupo formado pela União Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional), contra a crescente precarização das condições de vida do proletariado e em luta por seus direitos. Diversas manifestações de apoio também ocorreram em pelo menos 23 países do continente na data batizada de ‘Dia Europeu de Ação e Solidariedade’.

Em Portugal, a greve atingiu mais o setor público, principalmente os transportes. Pelo menos 40 representações portuguesas no estrangeiro foram fechadas devido à adesão dos funcionários à greve geral. A polícia tentou impedir vários piquetes que foram realizados em garagens de ônibus. Vale ressaltar que na Península Ibérica, essa foi a primeira greve da história que uniu Portugal e Espanha com o objetivo de protestar contra o aumento de impostos e os cortes de salários e benefícios. 

Na Grécia, a paralisação geral começou ao meio dia do horário local. Além das tradicionais manifestações combativas realizadas tradicionalmente pelos gregos, pelo menos seis edifícios foram ocupados em protesto contra a demissão de 25 mil funcionários públicos até ao final de 2013. Em várias cidades os trabalhadores iniciaram uma campanha de desobediência contra o governo, se recusando a enviar uma lista de pessoas para a demissão.

Na Bélgica, os sindicatos organizaram diversos protestos, principalmente na região sul do país, em cidades como Namur, Liège e Libramont, onde o desemprego é maior. Na Itália, os funcionários do transporte se somaram a uma greve nacional de 4 horas. Outros protestos foram registrados na Alemanha, França e em países do leste europeu.


Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja