Jovens vitimados pelo regime militar argentino: Justiça condena carrascos 33 anos depois

A- A A+
http://www.anovademocracia.com.br/100/18.jpg
Jorge Perez Brancatto, Jorge Sznaider e Hugo Malozowski

Na noite de sábado, 12 de maio de 1979, um grupo fortemente armado chegou a um prédio localizado em um bairro central de Buenos Aires. Forçaram o porteiro a solicitar que o proprietário de um apartamento os atendesse. Quando o morador abriu a porta foi dominado, assim como os quatro outros jovens que o acompanhavam, e todos foram levados do lugar em vários carros sem identificação. Nunca mais voltariam.

Assim, discretamente, com frieza e absoluta certeza da impunidade, é que atuavam as forças de repressão durante a gerência militar na Argentina. Esse caso (que ficou conhecido como "o grupo do Mariano Acosta", porque três dos jovens estudavam magistério nesse colégio) ganhou certa notoriedade na época pela ocasião em que ocorreu. A maioria dos mais de 30 mil casos de desaparecimento-assassinato já tinha acontecido entre o golpe de Estado de março de 1976 e as vésperas da realização da Copa do Mundo de futebol de 1978.

Os familiares dos jovens se mobilizaram dentro das escassas possibilidades da época. As autoridades se negavam a saber do caso. A imprensa ou colaborava com os militares ou sofria forte censura e ameaças. Poucos se atreveram a publicar umas linhas. No Uruguai uma rádio localizada na cidade de Colônia transmitia notícias que não eram difundidas nas emissoras de Buenos Aires. Porém, o Uruguai também vivia sob gerência militar. A outra ação dos familiares foi recorrer a governos estrangeiros. O consulado ianque acolheu as denúncias e mandou um pedido formal de explicações à junta militar argentina. Mas foi apenas um puxão de orelha sem maiores consequências.

As únicas instituições que resistiram valentemente, exigindo a verdade e justiça, foram as do povo organizado em grupos como o das Madres de la Plaza de Mayo.

Os familiares, que nunca desistiram dos seus entes queridos e passaram a dedicar sua vida a eles, sofreram muito até lograr resultados. Desesperados, acabaram nas mãos de oportunistas e achacadores: advogados inescrupulosos, falsas testemunhas, políticos e militares que ofereciam informações (que depois se revelariam falsas), em troca de muito dinheiro.

Judeus traídos por Israel

Os familiares do grupo que professavam a religião judaica recorreram à embaixada de Israel e foram ignorados ou maltratados. Um funcionário da embaixada disse-lhes que seus filhos tinham sido "inimigos do Estado de Israel"*.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja