O país do apagão permanente

http://www.anovademocracia.com.br/100/05.jpg

O termo apagão passou a constar do vocabulário dos brasileiros com o significado de interrupção, falta ou crise na prestação de algum serviço público. Depois do apagão da energia elétrica, do transporte aéreo e do já anunciado apagão dos combustíveis, o povo vai elevando sua consciência de que este é o país dos apagões: apagão do transporte público, apagão da segurança, apagão da saúde, apagão da habitação, apagão do saneamento, apagão da educação e da justiça. Esta grave situação indica que tão cedo nós não teremos o apagão da luta e do protesto popular.

Foi no final do gerenciamento Cardoso que a crise no setor de fornecimento de energia elétrica obrigou o país a ficar na penumbra. Entre 2001 e 2002 o termo apagão foi pronunciado tantas vezes que ele se vulgarizou, entrando definitivamente para o vocabulário diário da população. Não por mero recurso linguístico, mas pelas interrupções, faltas e crises que a imprensa dos monopólios escandaliza para encobrir o fato de que o povo vive sob um permanente apagão.

Já no começo do dia os brasileiros se deparam com o apagão da mobilidade urbana. Ônibus, trens e metrôs superlotados e um infernal engarrafamento do trânsito que obriga os trabalhadores a gastarem de duas a três horas em suas viagens para o trabalho e outro tanto de volta para casa no final do dia.  Casa que fica cada vez mais distante diante da especulação imobiliária que torna impossível o acesso da maioria do povo a uma moradia que não seja na beira de um rio, na encosta de um morro ou para além da ‘baixa da égua’, usando uma expressão cearense que designa um lugar muito longe. Lugares que se caracterizam pela completa ausência de serviços públicos, vivendo, pois, sob permanente apagão de segurança quando a própria polícia é a primeira a causar intranquilidade na população com a política de matar pobres.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro