Egípcios rejeitam 'primavera cavalgada'

http://anovademocracia.com.br/101/23a.jpg
Manifestantes superlotam a Praça Tahrir, no Cairo, Egito, no dia 27 de novembro

O combativo povo do Egito, que nos últimos anos vem se mobilizando de forma retumbante em gigantes e incessantes protestos por uma democracia verdadeiramente popular, dá sinais de que não irá aceitar que as forças reacionárias sigam cavalgando a sua justa rebelião, ainda que a falta de lideranças consequentes e a ausência de um programa revolucionário para as massas ainda deixem os egípcios à mercê de novas conformações antipovo, como as que aconteceram e que ainda estão em andamento na sequência da saída do "ditador" Hosni Mubarak.

No início de dezembro, duas sedes do Partido Liberdade e Justiça (PLJ), braço político da Irmandade Muçulmana, foram incendiadas nas cidades de Ismailiya e Suez, no nordeste do Egito. Em Ismailiya, a cidade onde a Irmandade Muçulmana foi fundada, em 1928, a sede da organização foi atacada com coquetéis molotov no momento em que havia 15 pessoas em seu interior.

Essa "irmandade", incensada por muita gente que se diz "de esquerda", já adotou o discurso antipovo oficialesco, caro a todo e qualquer grupo político que ascende à administração do capitalismo burocrático nas semicolônias do mundo pela via eleitoreira, da farsa eleitoral chancelada pelo imperialismo. Seus porta-vozes acusaram as "forças de segurança" e de "proteção civil" de terem sido ''negligentes" para evitar as justas ações contra seus escritórios. É também lá como é em qualquer outro lugar no que tange aos  reformistas de toda estirpe: foi só se empoleirar nas estruturas do velho Estado egípcio para a Irmandade Muçulmana açular a repressão ao povo, tal e qual Mubarak e os militares.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin