Jovens são executados por PMs da UPP no Complexo do Alemão

http://anovademocracia.com.br/101/08a.jpg
Bilhete entregue à ouvidora Márcia Honorato por uma testemunha

No dia 9 de dezembro, nossa reportagem foi ao Complexo do Alemão, na zona Norte do Rio de Janeiro, onde dois jovens teriam sido assassinados por policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da favela Nova Brasília, inaugurada no dia 1º de junho deste ano. Segundo testemunhas, depois de baleados, os jovens Wallace de Souza, de 21 anos, e Joseph Alexandrino, de 19 anos, foram executados pelos PMs. Um jovem que presenciou parte da ação dos policiais disse que os dois rapazes foram feridos a bala e, em seguida, assassinados a sangue frio, um com um tiro no peito e o outro com um disparo na cabeça. O crime aconteceu em plena luz do dia e foi testemunhado por várias pessoas, inclusive por crianças.

Eles pegaram os meninos vivos e os levaram até um certo ponto. Bateram muito neles. Botaram a luva nas mãos, pegaram a pistola e deram um tiro no peito de um dos meninos. O outro tinha tomado um tiro no braço. Arrastaram ele para cima do morro, botaram ele perto do bueiro e deram um tiro na cabeça dele. Quando a gente chegou lá, estava tudo espirrado na parede. Tinha sangue. Muito sangue. Ainda conseguimos encontrar projéteis de bala das armas usadas pelos policiais e um mapa, que estava com eles — contou a testemunha, que, em seguida, exibiu à reportagem de AND os objetos encontrados na cena do crime.

Você pode ver que o mapa está todo sujo de sangue. Eles já vieram com o mapa. Vieram com a rua onde os meninos estavam marcada já, o que prova o destino dos PMs desde que saíram da base da UPP. Eles mostraram as pistolas falando que era dos meninos, mas os moradores falaram que as pistolas eram deles. Eles estavam com duas pistolas na cintura. Uma de serviço e outra para executar mesmo. Quando eles vieram atirando, o Wallace tentou correr. Aí o chinelo dele arrebentou. Foi na hora que ele caiu. Nessa hora que os moradores falaram que começaram a bater nele. Mas bateram muito nele mesmo. Tanto é que o chinelo está todo sujo de sangue — mostra o jovem.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza