SP: Terror sem fim contra o contra os pobres

http://anovademocracia.com.br/101/07a.jpg
Bombeiros apagam fogo em ônibus incendiado, em 10/12/12, na praça Erotildes de Campos

Em suas últimas edições, AND tem divulgado pontualmente as atrocidades cometidas pelo Estado reacionário contra o povo pobre na capital e região metropolitana de São Paulo. Em dezembro, apesar da redução do número de pessoas assassinadas, começa a ficar comprovada a participação de policiais militares nos inúmeros casos de execuções sumárias, que têm vitimado, na sua maioria, jovens, negros e pobres. Em muitos desses casos, os policiais responsáveis pelas execuções se aproveitam do chamado "auto de resistência" (morte em confronto) para mascarar o que, na verdade, são assassinatos a sangue frio.

E não é só quando estão de serviço que os PMs fazem proveito dessa artimanha na lei do velho Estado. No início de dezembro, dados revelados pelo Ministério Público Estadual de São Paulo mostram que dos 691 incidentes de resistência à voz de prisão com mortos ou feridos registrados este ano na capital paulista, ao menos 109 envolveram policiais que estavam de folga. Segundo o coordenador da comissão de Direitos Humanos da OAB-SP, Martim de Almeida Sampaio, a prática é ilegal.

O auto de resistência é uma criação da própria polícia para designar homicídios ou lesões corporais provocados por eles contra criminosos que resistem à prisão. Mas é um dispositivo que não existe na lei, nem quando se trata de policiais em serviço, muito menos para policiais de folga. A realidade é que o auto de resistência aplicado para o policial fora de serviço é uma carta branca para qualquer arbitrariedade — afirma.

Já o advogado criminalista e diretor do grupo Tortura Nunca Mais, Lúcio França, diz que os chamados "autos de resistência" podem abrir "um precedente perigoso".

Após os ataques de 2006 [quando São Paulo foi palco de uma onda de violência semelhante à atual] muitos jovens foram mortos nas periferias de São Paulo, acusados de resistir à prisão. Laudos posteriores feitos por peritos forenses determinaram que vários haviam sido executados — lembra.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro