Nada a perder, um mundo a ganhar

A- A A+
http://anovademocracia.com.br/102/11.jpg
Os Retirantes: Cândido Portinari, 1944

Pedro e Maria são os nomes fictícios que dei a um jovem casal, pais de cinco lindos filhos, que conheci e com os quais convivi por dois dias durante a luta pela Fazenda Beirada, em Manga, Norte de Minas.

Quando entrei com os camponeses nas terras da Beirada com uma câmera na mão fazendo a cobertura para AND, permaneci próximo dessa família a maior parte do tempo. Entre as últimas pessoas que conversei antes do ataque dos pistoleiros, estava a sua filha mais velha, uma menina de 11 anos, que carregava seu irmãozinho mais novo no colo. Na manhã após o ataque dos pistoleiros, me reencontrei com Maria, apreensiva, na sede da Liga dos Camponeses Pobres. A sua filha mais velha havia se separado deles na retirada da fazenda e ela buscava notícias. Pude dar a ela pessoalmente a boa notícia: sua filha estava junto com outro grupo de camponeses que, na retirada, protegeram-na e a trouxeram.

Buscando informações atuais sobre as famílias, fui informado pela coordenação da LCP de que Maria, Pedro e os filhos foram acolhidos pelos camponeses da área "Unidos Com Deus Venceremos", dirigida pela LCP, em Pedras de Maria da Cruz. Conhecendo a história dessa família, os camponeses mobilizaram-se, convocaram a Assembleia Popular da área e destinaram um pedaço de terra, roupas, sementes, entre outras necessidades básicas para eles recomeçarem a vida e retomarem a luta.

Mais recentemente, conversei com o coordenador da área. Ele disse que Maria, Pedro e os filhos estão muito satisfeitos e que não pensam em voltar para a Bahia.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Um mundo novo para Pedros e Marias

I

O cabo do machado rompe o cadeado da porteira.

— A Beirada é do povo! Viva a Revolução Agrária!

Entraram juntos: Pedro, Maria e os cinco filhos.

Vêm da Bahia. Moravam de aluguel. Trouxeram tudo que tinham.

Ferramentas para a luta e para o trabalho. Mala de roupas, a feira do mês, o filho no colo, o fiel cachorro com uma coleira.

Entraram todos.

Cantando. A bandeira da Liga em punho.

A Fazenda Beirada está parada, tem onze pivôs de irrigação, e o povo tem fome.

Muitos já trabalharam naquelas terras. De sol a sol. Deram sangue e suor. E não têm terra.

E o povo quer terra!

Ajeitam um local para as coisas, dão água para as crianças, amarram o amigo canino em um local próximo.

E se preparam para a luta.

II

É madrugada. A pistolagem se exibe, tenta intimidar.

— "Conquistar a terra, destruir o latifúndio"!

Aquele pistoleiro, inimigo do povo, bandido pé-rapado, aponta a espingarda 12 para uma companheira.

— Covarde! Atira se for homem!

E tome cabo de enxada! E tome na cara seu covarde! Vai atirar em criança?

Cai a arma do bandido desconcertado. E tome mais pancada.

Mulher de coragem aquela companheira! E aquele companheiro! Viram como ele deu com o cabo da bandeira no pistoleiro?

Maria, junte os meninos. A pistolagem vai atacar.

Bandidos! Atiram contra o acampamento!

Covardes! Mataram o pobre vira-latas!

Jogam bombas e ateiam fogo em tudo.

Cabo de foice e de enxada contra a pistolagem armada.

— Companheira, temos que sair.

— E a menina mais velha? Pra onde foi?

— Temos que ir.

III

No escuro, Maria, Pedro e os filhos se afastam. Ao longe, o clarão do fogo e das bombas.

— E a menina mais velha?

Chegam a uma área vizinha, a área Vanessa.

Companheiros acolhem os que chegam, oferecem água e um café.

E a noite passa.

Pouco a pouco vão se reunindo na sede da Liga.

— E a Menina mais velha?

— Foi encontrada companheira. Na retirada, um companheiro a viu e trouxe com ele.

Novamente todos juntos!

— E agora?

— Trabalhar.

— Queimaram os documentos, as roupas e a feira do mês. Mataram o vira-latas! Covardes!

— Vamos lutar e vamos voltar. Essa terra é nossa!

IV

Pedras de Maria da Cruz, Norte de Minas. Área "Unidos com Deus Venceremos".

Para lá foram Pedro, Maria e os filhos.

Acolhidos pela LCP e por todas as famílias.

E não pararam um dia. Trabalharam na roça e no que mais havia.

Reuniu-se a Assembleia Popular.

E com simples palavras, narraram as suas vidas.

Perderam tudo que tinham, deixaram dívidas na Bahia.

Quando as mãos se ergueram, estava tudo decidido.

E assim recuperaram um pouco do que foi perdido.

Ferramentas, sementes, alimentos e roupas. Um lote para viver e trabalhar.

E de todos companheiros, apoio para recomeçar.

Essa é a vida de quem não tem nada a perder, tem um mundo a ganhar.


LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja