Solidariedade internacional a Carlos Latuff

http://anovademocracia.com.br/102/09a.jpg

A poderosa máquina de propaganda do sionismo conta com diversos tentáculos. Um deles se denomina Centro Simón Wiesenthale usa como disfarce de cordeiro a falsa missão de "defender os direitos humanos e promover a tolerância e o entendimento mútuo entre as pessoas". Seria muito nobre. Mas em verdade oCentro Wiesenthal exerce duas funções: a primeira é o apoio à política colonialista-expansionista de Israel, a segunda é a contínua e permanente invenção de inimigos e ameaças ao povo judeu.

Isto é usado para justificar as agressões israelenses e, não menos importante, garantir argumentos para angariar fundos para o Centro Wiesenthal. Com esse propósito, o Centro todo ano divulga uma lista dos piores antissemitas do planeta, aqueles que mais prejudicaram o povo judeu no período. Dias atrás foi divulgada a de 2011 e nela consta em terceiro lugar de periculosidade o nosso Carlos Latuff.     

Acusar Latuff de antissemita seria uma ignorância, uma estupidez, uma difamação gratuita, se não fosse um método bastante exitoso de confundir a opinião pública.  Qualquer pessoa com um mínimo de cultura e honestidade sabe e reconhece que ser antissemita é muito diferente de criticar o sionismo. Latuff é uma pessoa profundamente sensível ao sofrimento dos oprimidos e solidário com as lutas populares em qualquer lugar do planeta. Quando, em 1999, visitou a Palestina, não poderia ter reagido diferente. Indignado com o tratamento degradante imposto ao povo palestino, sua atitude coerente não poderia ser outra que passar a denunciar o opressor Estado de Israel.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Os cartuns de Latuff ficaram famosos em todos os territórios por onde se desenvolveu a primavera árabe. Seus trabalhos atacam o imperialismo, principalmente do USA. Ele apóia da luta dos mapuche no Chile, dos zapatistas no México. No Brasil, denuncia frequentemente a truculência policial e a safadeza dos poderosos, a luta dos trabalhadores, dos estudantes e dos camponeses. Aqueles que seguem as páginas de AND devem lembrar a viagem dele a Rondônia para conhecer de perto o dia-a-dia das famílias lideradas pela Liga dos Camponeses Pobres (LCP). Não por acaso, a matéria que escreveu foi intitulada Os Palestinos da Amazônia. Certamente o apoio ao povo palestino conforma uma boa parte da obra de Latuff.   

Talvez a maior virtude do trabalho de Latuf seja nos revelar o óbvio, nos leva a tomar consciência de coisas que estão na nossa frente e às vezes não as percebemos corretamente. Não é preciso tempo para entender sua mensagem. E isso acaba sendo uma ferramenta poderosa. Os meios massivos de comunicação batalham para nos enfiar na cabeça pensamentos prontos, clichês, modas, conceitos pré-digeridos, valores, quem é mundo livre, quem é terrorista ou traficante... E de repente umas poucas imagens do artista desmontam a farsa.

E os "donos da informação" não têm argumentos nem coragem para dizer que seus desenhos mentem, ou nesse caso, que é falso afirmar que Israel condena ao povo palestino a viver sob seu jugo por meio do terror. Então armam essa farsa de antissemita, para difamar o artista, desacreditá-lo, promover sua censura e, se tiverem pleno êxito, excluí-lo da mídia e do mercado de trabalho.   

Mas desta vez o tiro saiu pela culatra. A ridícula acusação gerou uma onda de solidariedade em favor de Latuff. Um manifesto lançado pelo artista intitulado "antissionismo não é antissemitismo", condenando a manipulação, passou a receber assinaturas de apoio do mundo inteiro, que até o fechamento desta edição, superavam o milhar. Inclusive o monopólio da imprensa se viu obrigada a comentar o caso em um tom muito mais favorável de como habitualmente trata, ou ignora, o tema palestino. O panfleto da máquina sionista, contrariamente ao que pretendia, acabou difundindo ainda mais a obra de Latuff e as causas por ele defendidas.


NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro