A reforma trabalhista que ninguém notou (e outras maravilhas legislativas)

http://anovademocracia.com.br/102/06.jpg

2012 é mais um ano que termina com saldo de derrota para a população trabalhadora. Diversas novidades normativas no decorrer do ano trouxeram perda direta ou indireta de garantias ou impediram que novos direitos fossem conquistados.

Pseudocooperativas legalizadas

A pior notícia do ano talvez tenha sido a Lei 12.690, que liberou a terceirização por meio de cooperativas. Até então, eram permitidas as cooperativas direcionadas a determinada atividade econômica (no que não há nenhum problema), mas não as de fornecimento de mão-de-obra.

A melhor maneira de explicar essa diferença é com casos práticos. É comum, por exemplo, que agricultores se organizem em cooperativas para centralizar atividades como armazenamento e venda de produtos, compra de sementes e tratores, etc. Isso lhes traz mais força para negociar com compradores e fornecedores, possibilidade de aquisição de máquinas em nome da cooperativa para uso compartilhado nos casos em que seus membros não tenham recursos ou interesse em comprá-las individualmente, etc. A cooperativa é também uma forma possível de organização para quem deseje trabalhar sem patrão, preservando a igualdade no ambiente de trabalho e administrando-o por meio de decisões colegiadas. AND, em sua origem, foi uma cooperativa de jornalistas, assim como o antigo Coojornal, de Porto Alegre. Nesses casos, os trabalhadores membros da cooperativa são, individual ou coletivamente, os donos de seus locais e instrumentos de trabalho.

No caso das cooperativas de trabalho direcionadas à prestação de serviços, autorizadas pelo art. 4º, II da nova lei, a situação é a inversa. Os trabalhadores que a integrarem terão todos os inconvenientes e nenhuma das vantagens tanto do trabalho por conta própria como da relação de emprego: não serão donos de nada nem estarão cobertos pelas garantias da CLT. Não terão poder algum sobre o ambiente de trabalho, pois trabalharão na empresa que contratar a cooperativa. E em vez de mais fortes, estarão mais fracos para negociar com os patrões, já que, não sendo empregados, não terão direito à representação sindical nem estarão cobertos por convenções e acordos coletivos.

A lei assegura, em tese, descanso semanal, férias e limite de jornada. Já a garantia de remuneração não inferior ao salário mínimo e o direito a um seguro contra acidentes (situação que o INSS não cobre em se tratando de cooperados) ficam sujeitos à carência que a cooperativa definir, seja ela qual for. E o trabalhador fica proibido de cobrar judicialmente da empresa contratante qualquer direito desrespeitado: nesse caso, terá que processar a cooperativa, ou seja, a si mesmo e a seus colegas – que dificilmente terão dinheiro para arcar com a condenação.

Esses últimos pontos são mérito pessoal da senhora Roussef e dos ministros José Eduardo Cardozo (Justiça) e Míriam Belchior (Planejamento, Orçamento e Gestão). Tal como saiu do Congresso, a lei era ruim (ou melhor, péssima), mas nem tanto. Embora procurasse conciliar coisas inconciliáveis como a autonomia inerente aos sócios das verdadeiras cooperativas e a intermediação de mão-de-obra para realização de serviços em condições típicas da relação de emprego como obrigações de local e horário, pelo menos continha alguma tentativa de freio a fraudes e abusos.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro