Egito volta ser palco de protestos radicalizados

A- A A+

A barreira montada em frente ao parlamento egípcio não resistiu à revolta da população

O Egito voltou a ser palco de agigantados e radicalizados protestos populares no fim de janeiro. Com grandes manifestações no Cairo, em Alexandria e em outras cidades do país desencadeadas por conta do segundo aniversário do retumbante levante do povo egípcio que culminou com a renúncia de Hosni Mubarak, em 2011, mas motivados pela insatisfação com as condições gerais de vida e com o gerenciamento "civil" e amigo das potências, que sucedeu Mubarak e a Junta Militar. Mais de cinquenta pessoas já morreram, sobretudo por causa da ferocidade das intervenções por parte das forças de repressão.

Na cidade de Porto Said, a condenação de 21 pessoas à morte, sentença saída das entranhas dos tribunais a serviço do velho Estado egípcio e que enfureceu as massas, foi como uma centelha a fazer estourar a rebelião.

Há cerca de um ano, e um ano depois da queda de Hosni Mubarak, 70 pessoas morreram em confrontos ocorridos em uma partida de futebol entre o time local al-Masry e um clube da capital, Cairo.

Na época, as informações da gente do povo davam conta de que os promotores do massacre foram a polícia e partidários do escorraçado Hosni Mubarak que queriam se vingar de grupos que compuseram a linha de frente dos protestos populares que fizeram cair o antigo tirano, enfrentando com paus e pedras as forças de repressão.

Pois a "justiça" egípcia optou por mandar matar 21 bodes expiatórios, ainda que tenham surgido novas evidências de que membros do "antigo regime" estiveram envolvidos no "massacre do campo de futebol", como o episódio ficou conhecido.

Ao ouvirem a sentença, prontamente manifestantes insubordinados incendiaram uma delegacia e bloquearam a ferrovia que liga Porto Said à cidade vizinha de Ismailia.


Fortes barreiras tentam conter manifestantes em frente ao palácio

A nova vaga de protestos por uma democracia verdadeiramente popular no Egito mostra que o povo daquela nação está consciente do fato de que sua justa e corajosa rebelião foi cavalgada pelo oportunismo e pelo imperialismo, resultando no gerenciamento daquela semicolônia pela Irmandade Muçulmana, agremiação que se apresentava como "revolucionária", chegando a iludir certa fatia de certa "esquerda", e que ora luta com tanto fervor para se manter na administração do capitalismo burocrático egípcio.

No Egito, o povo está consciente do cenário político do país e não aceita mais tanta carestia, repressão e tantas manobras para perpetuar a opressão do povo levadas a cabo pelas forças reacionárias locais em conluio com as potências capitalistas. Falta-lhe um programa revolucionário e uma liderança consequente para tornar possível um cenário já admitido até pelo chefe das Forças Armadas do país - espinha dorsal daquele capitalismo burocrático -, o do "colapso do Estado", do velho Estado egípcio.


Inconformados com o gerenciamento "civil", e subserviente às potências, a população se rebela e enfrenta forte repressão
Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira