Editorial - Imperialismo amplia guerra aos povos

A- A A+
 
Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

No editorial da edição 53 de A Nova Democracia, de junho de 2009, afirmávamos, já no título, que "O imperialismo é a guerra". Na ocasião, dizíamos não ser possível às potências imperialistas saírem da crise com os planos de salvação financeira intentados, mas que apenas com o aumento do afluxo de riquezas dos países dominados e a ampliação da guerra para definição de nova repartilha do mundo.

De fato, de lá para cá se agravaram as contradições interimperialistas e as potências e seus blocos passaram a se chocar de maneira mais evidente, cada vez mais saindo das pugnas meramente diplomáticas, promovendo nova corrida armamentista, exercícios e manobras militares intimidatórias, culminando com a imposição da guerra a outros povos de nações dominadas.

Nesse sentido, a guerra na Síria vive um impasse entre os interesses da Rússia (e de seu bloco: China, Irã, etc.) que desde a época do social-imperialismo russo (ainda se chamando URSS, mas já com o capitalismo restaurado, após 1956) exercia maior influência econômica e política, e os desejos do USA (e demais aliados da Otan), que desde os atentados de 2011 colocou em marcha o plano da construção de um "Novo Oriente Médio", deslocando o bloco rival.

E assim tem feito após as invasões do Iraque, Afeganistão, Líbia e agora, no limiar da invasão direta e assumida também da Síria. Isso porque até hoje não se logrou, mesmo com o fornecimento de instrução, armas, equipamentos, soldados mercenários e todo dinheiro, derrubar o regime fascista e burocrático de Assad, que resiste há quase dois anos, embora enfraquecido e aos pedaços. Assim, o imperialismo ianque se vê obrigado a jogar para as calendas os planos de invasão do Irã, um anseio de décadas.

A colocação de mísseis patriot (Otan) na fronteira turca e os exercícios navais russos na região são sinais de que a tendência, como tem se verificado, é a passagem das guerras de agressão imperialista aos povos dominados, à conflagração entre as potências imperialistas, ainda que o eixo das batalhas seja deslocado da Europa (como se verificou nas duas primeiras guerras mundiais entre as potências imperialistas), para o Oriente Médio, Norte da África e Sul da Ásia.

E enquanto isso não ocorre, os povos das semicolônias dessa região convivem com as atrocidades promovidas pelos invasores, tudo sob a bandeira da "democracia" e "luta contra o terrorismo".

A recente invasão e ocupação do Mali pelas tropas da França são mais um capítulo do infindável rol de agressões imperialistas. Com a desculpa de lutar contra "radicais islâmicos", pretende recolonizar (ou se impor como potentado) o país (e de preferência os vizinhos também), e evitar a expansão da influência, principalmente da China, no continente.

Escondem de todas as maneiras que foram eles mesmos que criaram os "radicais islâmicos", que na verdade é o povo tuaregue em busca de independência, quando invadiram e retalharam a Líbia, assassinando Khadafi, que em benefício próprio ou do imperialismo, sempre atuou para estabilizar minimamente a região. O resultado é que a derrocada do regime líbio destampou inúmeras contradições entre diferentes tribos guerreiras indomáveis que habitam, algumas delas, em mais de um país.

E assim o imperialismo segue sua sina de impor a guerra infinita aos povos do mundo, na tentativa desesperada de encontrar uma solução para a colossal crise em que se encontra toda economia mundial, embora uns países estejam em condições piores que outros. Crise essa que se estende já desde a década de 1970 e que atravessa colapsos a intervalos cada vez menores, à medida em que as políticas adotadas para sua solução não fazem nada mais que empurrar o desfecho inevitável mais para a frente.

O fato inegável é que nos marcos do capitalismo – em sua fase superior, o imperialismo – é impossível qualquer solução definitiva no sentido de eliminar as crises cíclicas e seus devastadores efeitos, até mesmo para os monopólios, embora as massas populares sejam sempre as mais prejudicadas.

E os sinistros planos imperialistas de partilha e repartilha do mundo só não prevêem o volume e a qualidade da resistência que os povos agredidos lhe opõem, embora essa seja uma constante que não pode ser ignorada. E a resistência é tanto mais heróica e feroz, quanto maiores são os crimes e atrocidades cometidos pelos invasores.

E essas lutas de libertação nacional no Haiti, Curdistão, Iraque, Afeganistão, Saara Ocidental, Mali, etc., representam hoje os mais duros golpes dados no imperialismo, ao lado das guerras populares na Índia, Turquia, Peru e Filipinas, que em meio a mil dificuldades, tem desenvolvido processos revolucionários que muito tem a ensinar aos povos do mundo.

Dessa forma, não haverá guerra imperialista capaz de livrar o imperialismo de seu destino inexorável, sua completa derrota e a lata de lixo da história.


LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja