Saara: todas as nuances de uma agressão imperialista

http://www.anovademocracia.com.br/104/14a.jpg
A agressão francesa ao Mali tende a transbordar para a Argélia

É fundamental, para o bem da consciência política dos povos do planeta, constatar que as agressões imperialistas a nações diversas mundo afora - com ou sem a anuência e a cumplicidade dos governantes ou gerentes locais - obedecem à mesma velha cartilha, tanto no modus operandi do ataque em si quanto na ofensiva paralela de contrainformação ecoada pela imprensa burguesa internacional, parceira de armas dos esforços para a repartilha do mundo entre as potências capitalistas e seus monopólios.

Isso ocorre agora mesmo, no mais novo front aberto pelo imperialismo, ou seja, no Mali, em particular, e na região do Saara, em geral, tendo em vista que a agressão encabeçada pela França tende a "transbordar" para a Argélia, no que parece ser o início de uma verdadeira campanha militar de recolonização da antiga África ocidental francesa. Senão, vejamos:

O 'terrorismo', sempre ele

Como toda agressão imperialista dos tempos que correm, esta campanha de repartilha da região do Saara entre as potências capitalistas também foi desencadeada sob o mote do "terrorismo", ou do combate a ele.

Neste sentido, o da empulhação, a secretária de Estado ianque, Hillary Clinton,  falou sobre a necessidade de impedir que o norte do Mali se torne um "porto seguro" do qual "terroristas" pudessem lançar ataques contra o USA.

http://www.anovademocracia.com.br/104/14b.jpg
Tropas francesas continuam embarcando para o Mali

A agência internacional de notícias AFP, ícone do monopólio internacional dos meios de comunicação, chegou a abastecer os jornais burgueses mundo afora com uma "notícia" intitulada "Islamitas abrem nova frente de combate no Mali". Ora, quem senão o imperialismo acaba de abrir um novo front, no Mali, para seus infames combates com vistas exclusivamente nos seus interesses militares estratégicos e nas demandas dos grandes grupos econômicos capitalistas internacionais?

Os ataques 'cirúrgicos', sempre eles

Como de praxe nas agressões imperialistas mundo afora, a todo momento surgem informes redigidos pelos senhores da guerra do imperialismo dando conta de ataques aéreos alegadamente precisos - "cirúrgicos" é a palavra de uso contumaz - contra alvos como depósitos de armas e de combustível que seriam usados pelos "terroristas" ou contra prédios onde eles, os apresentados como "terroristas", estariam escondidos.

O exército francês que ora lança ataques sem fim no território do Mali é o mesmo que no início de janeiro embrenhou-se em uma malfadada operação na Somália de resgate de um espião flagrado e capturado pela luta armada local, como A Nova Democracia informou em sua edição número 103. Pois agora surgem informações de que a única coisa que a França "cirúrgica" conseguiu com sua operação rocambolesca na Somália foi a morte de oito civis, todos destroçados em um ataque aéreo lançado contra a localidade de Bulomarer.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Calendário para retirada das tropas...

A exemplo das guerras de ocupação do imperialismo que perduram ao longo das últimas décadas, como no Iraque e no Afeganistão, esta agressão das potências ao povo do Mali já começa sob um calendário de "retirada das tropas" previamente destinado a não ser cumprido, servindo apenas para fazer fumaça à infame natureza da invasão.

O "socialista" François Hollande, "presidente" da França, disse que os soldados sob seu comando devem começar a sair do Mali em março. Segundo ele, a ideia é "transferir a segurança do Mali para soldados malineses". Quem já viu esse mesmo filme?

E já se fala na lucrativa 'reconstrução'...

E as potências imperialistas já começam a partilhar os trabalhos de "reconstrução" do Mali entre seus monopólios em crise e ávidos por contratos desta estirpe, que para eles significam algumas bolhas de ar. Em visita de um dia ao Mali invadido, no início de fevereiro, o "socialista" Hollande afirmou que a França vai "ajudar a reconstruir o país", tal e qual os artífices do imperialismo ianque disseram no início das ocupações do Iraque e do Afeganistão, imediatamente antes de assinarem vultosos contratos que garantiram sobrevida a vários dos seus grupos capitalistas transnacionais da construção civil.


NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro