Argentina: salário, preço e luta popular

http://www.anovademocracia.com.br/105/19.jpg
Em 2001, crise e protestos derrubam o presidente De la Rúa

Em 2001, a Argentina protagonizou uma grande revoltas popular. Em novembro daquele ano, o sistema bancário começou a colapsar e os "grandes investidores" retiraram grandes somas de dinheiro do país.

Em dezembro, o governo limitou a retirada de dinheiro dos bancos a 250 pesos — com moeda paritária ao dólar — por semana. O povo argentino tomou as ruas em protestos. Nos dias 19 e 20 de dezembro, os protestos se espalharam não só pela capital, Buenos Aires, mas por várias cidades do interior. Com Estado de Sítio decretado, a polícia reprimiu e assassinou 39 pessoas, dentre elas nove menores de idade. O então presidente Fernando De la Rúa renunciou.

Seis meses e três presidentes depois, o país começou a estabilizar-se politicamente. Em 2003 tomou posse Néstor Kirschner e em 2007, sua esposa Cristina Kirchner. Cristina foi reeleita em 2012 e é a atual presidente do país.

Durante as jornadas de luta de 2001 surgiram vários movimentos populares, baseados na organização operária em torno de fábricas recuperadas, escolas populares, cooperativas de trabalho, associações de bairro e de ajuda mútua para enfrentar a crise econômica. Estes movimentos populares foram, em grande parte, cooptados pelo governo populista dos Kirchner. Mas, alguns setores sempre estiveram atentos ao peleguismo dos agentes do governo e, mais recentemente, outros começaram a desmascarar o discurso de "governo nacional e popular" desenvolvido pelo governo.

Nos últimos meses, o monopólio da imprensa no Brasil tem divulgado uma suposta crise na Argentina em razão de protestos realizados pela pequena burguesia. O país, pelo menos por enquanto, não corre o risco de um novo "Argentinazo", como o de 2001. Tampouco está um mar de rosas, como querem fazer crer alguns.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro