30 anos do massacre de Uchuraccay

http://www.anovademocracia.com.br/105/18.jpg
Os jornalistas foram assassinados para não desmascararem ação do exército contra camponeses

No Perú, em janeiro de 1983, a notícia sobre a morte de supostos guerrilheiros do Partido Comunista do Peru (PCP) em Huaychao, executados por camponeses, atraiu o interesse da imprensa nacional.

Um grupo de oito jornalistas de diferentes veículos de imprensa decidiram ir até a serra peruana para recolher mais informações sobre o tema, que fervia nos meios limenhos. Afirmava-se que os camponeses haviam se levantado, armados, contra o Sendero Luminoso. Mas havia muitas pontas soltas, como a existência de menores de idade entre os mortos.

O Peru era governado por Fernando Belaúnde Terry, do partido conservador Ação Popular, que colaborou com Fujimori nos anos de 1990, mas nos anos 80 tinha a "simpatia" de alguns "esquerdistas" reciclados, oportunistas e revisionistas.

A guerra popular havia começado três anos antes e opunha, por um lado, os guerrilheiros (principalmente camponeses pobres), e por outro, "os Sinchis", destacamento da polícia nacional. Mas em 1983, o governo de Belaúnde autorizou a entrada das forças armadas no conflito. Desde este momento, estas forças deixariam seu selo criminoso, em particular a Marinha de Guerra do Peru, que tratava com especial sadismo os guerrilheiros detidos por lutar contra o Estado e por serem camponeses serranos.

As forças armadas iniciavam a criação das "aldeias estratégicas", seguindo a estratégia ianque no Vietnam, através da formação forçada das "rondas camponesas" para enfrentar os guerrilheiros. A ordem que membros do exército davam aos dirigentes destas "rondas" (muitos deles camponeses ricos que perderam suas terras para a guerrilha) era matar todo estranho que não chegasse por terra e só receber aos que viessem pelo ar.

Naqueles tempos os generais do exército declaravam abertamente: "Se de cem camponeses mortos houver um subversivo, então a ação está justificada". Era a confissão sem nenhum tipo de escrúpulos de que estavam aplicando a estratégia de "terra arrasada" na guerra contra-subversiva.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin