Olimpíadas de 2016 x Mata Atlântica

A- A A+
http://www.anovademocracia.com.br/105/05a.jpg
No mapa, a área onde deve ser construído o campo de golf

Há anos, a APA (Área de Proteção Ambiental) de Marapendi, na zona Oeste do Rio de Janeiro, preserva um importante bioma de mata atlântica, com uma imensa variedade de espécies vegetais e animais. Apesar dos antigos problemas com os grandes condomínios da região, que despejam esgoto nas lagoas da APA, as espécies que vivem no local — muitas delas ameaçadas de extinção — sempre resistiram ao avanço da urbanização no bairro da Barra da Tijuca. Contudo, uma nova ameaça tem preocupado cientistas e moradores da região.

A aprovação da PLC 113 na câmara de vereadores do Rio em regime de urgência, em uma das últimas votações de 2012, deu o sinal verde para a construção de um campo de golfe em uma imensa área da APA de Marapendi. A construção faz parte dos preparativos da cidade para as Olimpíadas de 2016 e já é chamada de "Golf Olímpico".

Até então, muitos movimentos e organizações de defesa do meio-ambiente travavam uma batalha contra a PLC 113. Entretanto, meses antes da aprovação, já havia sido construída, segundo projeto da prefeitura, a estação de BRT (Bus Rapid Traffic) "Golf Olímpico", em frente à área disputada por empreiteiras para a construção do campo de golfe. Um sinal claro de que já estava tudo articulado entre o gerenciamento municipal, encabeçado pelo prefeito Eduardo Paes, e as empreiteiras que irão devastar a APA de Marapendi.

A reportagem de AND conversou com o biólogo e morador da região, Marcelo Mello, de 48 anos, que explicou a importância da APA de Marapendi e denunciou as obscuras articulações entre o Estado e as empreiteiras com vistas à aprovação da PLC 113.

Eu moro na Barra da Tijuca há 10 anos e tento, de alguma forma, defender a biodiversidade do Rio de Janeiro. Nesses dez anos, eu tenho visto que o poder público não tem feito nada para proteger esse bioma de mata atlântica que ainda existe aqui no nosso bairro. Existe a lei federal 11.428 que determina que a mata atlântica é um patrimônio nacional que deve ser protegido, preservado e reconstituído. E o ecosistema de restinga, assim como o ecosistema de manguezal fazem parte do bioma de mata atlântica, que é o mais ameaçado do Brasil. Por estar no Sudeste, esse bioma vem sendo dizimado desde o descobrimento do Brasil e, hoje, só restam 7% de sua cobertura vegetal. Esses megaeventos, como a RIO+20, já acontecem desde a década de 70. Na maioria das discussões travadas nesses eventos, foi determinado um amplo esforço para a preservação dessa biodiversidade, que está entrando em extinção rapidamente — analisa o pesquisador.

Marcelo falou também sobre a estrutura de poder por trás dos grupos que se mobilizaram pela aprovação da PLC 113 em conluio com a base política de Eduardo Paes na câmara de vereadores e a secretaria municipal de meio ambiente.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja