Fraturamento hidráulico no Brasil

Começam os preparativos para a implantação dessa arrasadora técnica de extração de petróleo e gás. Quatro filmes, três documentários e uma ficção nos alertam para os riscos.

http://www.anovademocracia.com.br/106/10.jpg

Nos próximos dias entrará em cartaz nos cinemas brasileiros Promised Land (Terra Prometida) protagonizado por Matt Damon. Em 2010, foi lançado o documentário ianque Gasland (Terra do gás), e poucos meses atrás, o argentino Hidrofractura: El agua, el aire, la tierra... la muerte (Fraturamento hidráulico: a água, o ar, a terra... a morte).

Por eles ficamos sabendo em que consiste essa tecnologia, os danos causados no USA e na Argentina e o truculento acionar das corporações que atuam no setor. 

As jazidas convencionais de petróleo ou gás são como grandes tanques na rocha. Assim, com a simples perfuração é possível sua extração.

Mas, uma grande quantidade desses fluidos se encontra preso na rocha de xisto, em minúsculos e pulverizados recintos, como se fosse uma esponja, e a grandes profundidades. Como extraí-los?

O processo consiste em uma perfuração vertical de 1,5 mil a 4 mil metros, e horizontal de uns 2 mil metros. Depois são injetados de 4 a 28 milhões de litros de água a alta pressão, misturada a centenas de produtos químicos. Em seguida são detonadas cargas de explosivos ao longo da perfuração horizontal. Os produtos químicos dissolvem a pedra e, após 3 meses, o gás começa a ser liberado.

Na superfície, uma pequena refinaria limpa o combustível e o envia por um gasoduto. Cerca de metade da água injetada retorna à superfície contaminada com os produtos químicos, metais pesados e até radiativos que, por acaso, podem existir no subsolo. Cada poço pode receber fraturamento até 18 vezes, consumindo até 500 milhões de litros de água doce.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro