A tropa de choque da revolução entra em combate

http://www.anovademocracia.com.br/106/05.jpg
Ativistas do MEPR em combativa passseata contra a agressão imperialista ao Iraque. 03/2003

Era uma segunda-feira, 24 de março de 2003. Havia cinco dias o imperialismo ianque desencadeara sua covarde agressão ao Iraque. No monopólio de imprensa, boletins a cada hora mostravam o "imbatível" poderio militar do USA, como se a guerra contra o "terror" pudesse ser ganha em dias ou até mesmo em horas. As fileiras do oportunismo engrossavam de fato a contrapropaganda do imperialismo, ressaltando o suposto "massacre" em curso no Iraque. Chegaram a montar, em frente ao consulado ianque, uma "tenda da paz" e, enquanto a resistência iraquiana já fazia as primeiras baixas entre os invasores, tinham a desfaçatez de declararem-se "contra a guerra" em geral.

Neste contexto, realizar uma combativa manifestação para quebrar o "consenso" a respeito da agressão imperialista, desfraldando ao povo brasileiro o justo caminho da resistência, mais do que um verdadeiro dever internacionalista, era inadiável necessidade política.

A juventude militante do Movimento Estudantil Popular Revolucionário (MEPR) apresentou-se resoluta para cumprir essa tarefa. Um chamado foi lançado aos estudantes de todo o país e, no dia marcado, dezenas de ativistas convergiam para o Centro do Rio de Janeiro, local daquela histórica manifestação.

Batalha nas ruas

Abaixo, trechos de relato do protesto publicado no Jornal Estudantes do Povo:

"Às onze horas da manhã, já estávamos todos lá. Após um rápido lanche, dividimo-nos em quatro grupos para mobilizar as escolas e universidades próximas. A massa estudantil foi pega na saída das aulas. ‘Morte às tropas assassinas ianques’ – eram essas as palavras que os estudantes cariocas viam na porta de suas escolas... Às 15h30min os grupos convergiam todos na esquina entre as ruas México e Santa Luzia. Como que de forma inesperada, na base de gritos de ‘Morte ao imperialismo’, se formavam uma a uma as quatro fileiras naquela esquina que dava para os fundos do consulado norte-americano...

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin