A guerra popular quebra a vacilação das mulheres

A- A A+

Entrevista com a camarada Janaky (Anuradha Ghandy), foto

http://www.anovademocracia.com.br/107/22a.jpg

Esta entrevista foi realizada pelo jornal Poru Mahila, da organização de Mulheres Revolucionárias Adivasis (KAMS) de Dandakaranya e foi publicada em março de 2001. A camarada Janaky, falecida em abril de 2008, era membro do Comitê Central do Partido Comunista da Indía (Maoísta). Sua exposição sobre a situação da mulher na Índia e, em particular, sobre o movimento revolucionário das mulheres é muito ilustrativa sobre como se desenvolve o processo de libertação da mulher na velha sociedade e dentro do processo revolucionário.

Poru Mahila:  Camarada Janaky poderia explicar a opressão enfrentada pela mulher urbana?

Camarada Janaky: As mulheres indianas sofrem a opressão feudal, capitalista, imperialista e patriarcal, que aparece de várias formas e em vários lugares, tanto no campo como na cidade. Em primeiro lugar, se analisamos o problema no seio da família, inclusive em áreas urbanas, as mulheres estão oprimidas pela cultura feudal.

Ainda que a opressão na cidade possa ser menos severa, a maioria das meninas e mulheres não tem o direito de tomar decisões importantes sobre sua vida familiar. As moças solteiras são pressionadas a se casar com homens da mesma casta e religião, de acordo com as decisões familiares. Caso uma moça queira se casar com um homem que ela escolheu e que seja de outra casta ou religião, será submetida a uma grande oposição familiar. Inclusive se uma mulher deseja trabalhar fora de casa, precisará ter a autorização paterna, do irmão ou do marido. Algumas pessoas de determinadas castas e religiões (por exemplo, os muçulmanos e kshatriyas) não gostam que as mulheres trabalhem. Por isso a mulher tem que lutar inclusive por sua independência econômica.

http://www.anovademocracia.com.br/107/22b.jpg
Mulheres adivasi, em Bengala, Índia

Além disso, desde que os valores capitalistas penetraram amplamente no país, as relações homem-mulher foram mercantilizadas e as mulheres enfrentam graves problemas. O dote e outros artigos que a família da noiva deve dar à do noivo antes e depois do casamento se converteram em grande problema para os pais que têm filhas. Também é comum, em todas as comunidades, acossar as mulheres pelo dote, tanto física como mentalmente. Quando a vida da esposa pode ser medida em dinheiro e ouro, matá-la em benefício próprio não está descartado. Nos últimos 25-30 anos, na Índia, um novo crime se tornou moda: queimar noivas pelo dote.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja