Evo Morales e a CIDH: anti-imperialismo ou farsa?

Há alguns meses, em AND 98, falamos sobre a falácia dos discursos duplos de alguns governos como os de Correa e Evo Morales na América do Sul. Eles não medem esforços para lançar ao vento bravatas carregadas de anti-imperialismo, enquanto empreendem uma feroz repressão contra os lutadores sociais, revolucionários e cidadãos indefesos. 

Em AND 98 mostramos como os governos da Bolívia, Equador, Venezuela e Brasil, durante a Assembleia Geral da OEA, realizada em Cochabamba, Bolívia, em 2012, fizeram uma campanha para diminuir as atribuições da Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), acusando este organismo de defender interesses políticos contrários a seus Estados. Naquela oportunidade, afirmamos que tal intenção estava baseada em garantir a impunidade a todas as arbitrariedades cometidas contra os direitos civis e políticos de diversos cidadãos dos países latino-americanos. Demonstramos com uma série de fatos como Correa vinha executando um horrível plano macartista, difamando e desprestigiando um grupo de jovens equatorianos, através das forças repressivas e dos meios de comunicação leais a seu governo.

Jamais defendemos, nem defenderemos, uma fé cega ou alguma confiança nos órgãos jurisdicionais do Equador, Bolívia, Brasil, Venezuela etc, nem tampouco na CIDH. Entretanto, a intenção de recortar as atribuições ou de retirar-se deste foro jurisdicional internacional, cuja única função é a de fazer um controle constitucional dos direitos civis e políticos dos cidadãos no continente americano, está ligada ao desejo totalitarista de dominar até o último espaço de poder nos mencionados países latino-americanos e restringir aos cidadãos qualquer instrumento jurídico ao qual possam recorrer, em caso de violações flagrantes de seus direitos fundamentais.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin