O dia que durou 21 anos

O golpe de Estado de 1964 foi idealizado, planejado e bancado pelo USA. Até para a sua execução uma formidável força militar ianque estava preparada para invadir o Brasil se os militares golpistas precisassem de ajuda. O general Castelo Branco foi escolhido pelo USA para virar "presidente" do Brasil.

http://www.anovademocracia.com.br/107/13.jpg

O documentário O dia que durou 21 anos, de Flavio Tavares, conta esta história entrevistando diversos personagens da época, recorrendo a vídeos jornalísticos, mas focado principalmente na reconstituição dos fatos, tendo como base os arquivos secretos do USA recentemente liberados. Telegramas entre a embaixada no Brasil e o governo do USA, gravações de áudio de Kennedy, depois de Johnson e seus assessores, traçam passo a passo a estratégia dos invasores e o colaboracionismo dos traidores brasileiros militares e civis.  

Em 1961 o USA já tinha visto triunfar a Revolução Cubana (1959) e decidiram que isso não se repetiria em nenhum outro país da América Latina.  Lincoln Gordon é nominado embaixador de USA no Brasil com o objetivo de se antecipar a qualquer movimento revolucionário. Gordon fez muito mais do que isso. Em seus telegramas e conversas com Kennedy relata que o então presidente do Brasil, João Goulart, poderia transformar-se em um "ditador populista" similar a Peron na Argentina. Dá numerosos sinais alarmistas da situação politica local e adverte: "se Brasil for perdido não será uma nova Cuba, mas uma China em nosso hemisfério".

Na verdade, o governo de Goulart estava muito longe de ser revolucionário. A reforma agrária se limitava a comprar terras improdutivas dos latifúndios e as repassar a camponeses. Tomaram-se medidas para que as transnacionais cumprissem os contratos, respeitassem as leis do país e não tivessem ganhos excessivos. Eram medidas reformistas de um governo nacionalista.

Então desde Washington foi decidido que Goulart seria deposto.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro