Editorial - Urge destruir o latifúndio

A- A A+
Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

A luta pela terra no Brasil, que já é dramática para os camponeses pobres desde o início, está se radicalizando cada vez mais.

A gerência PT-FMI decidiu de uma vez por todas sepultar a fracassada "reforma agrária", interrompendo os assentamentos e tachando os que já existem de "favelas rurais", nas palavras de Gilberto Carvalho, secretário geral da presidência. Dilma então, nem se pronuncia sobre o assunto, e não como omissão, mas sim como sinalização aos latifundiários que o caminho está livre para atacarem o movimento camponês.

O MST, enredado nas malhas do Estado, no oportunismo de sua direção e nas disputas internas entre diferentes "senhores feudais" regionais, nada mais faz do que lançar críticas ao vento e prantear a diminuição do espaço no governo e a drástica redução dos assentamentos.

O monopólio dos meios de comunicação festeja mais esse "ponto de contato" com a gerência oportunista e lança editoriais em série, tentando convencer o povo de que a questão agrária foi resolvida pelo agronegócio e com o conto do "apoio à agricultura familiar". E é conto, porque tal agricultura familiar é necessária para se manter, ainda que sempre como pequena produção arruinada, como formadora do valor da força de trabalho, através do fornecimento dos produtos da alimentação básica da classe operária a preços aviltados, impostos a esses camponeses pelos atravessadores. Daí que o governo, embora tarde, já reconhece que não há mais nenhuma reforma agrária a ser feita.

Enquanto isso, as massas camponesas em luta pela terra e suas lideranças mais destacadas estão sendo caçadas pelo judiciário, polícias, órgãos ambientais e fiscais e, claro, os grupos armados a soldo dos latifundiários, que agem livremente, acobertados pelo velho Estado, e inclusive compostos por policiais.

Os estados do Norte e do Nordeste do país seguem sendo os campeões em assassinatos de lideranças camponesas e dentre eles, Rondônia se destaca nessa triste estatística, ultrapassando em 2012 o Pará, que detinha a dianteira há vários anos, é o que diz a CPT em uma prévia de seu relatório anual sobre mortes no campo.

Toda sorte de violência se abate sobre o movimento camponês combativo: despejos violentos, incêndio de barracos, plantações, animais e pertences, perseguições, cercos militares, prisões arbitrárias, torturas, intentos do governo de jogar massa contra massa e ação de pistoleiros que tem ceifado a vida de combativas lideranças e apoiadores da luta camponesa.

Diga-se de passagem, há um histórico de décadas de ações conjuntas entre policiais e pistoleiros, seja cumprindo mandados judiciais, seja atuando a mando de latifundiários. Vide a Batalha de Santa Elina, em 1995, quando dezenas de pistoleiros se somaram aos policiais na repressão aos camponeses.

Já se passou um ano desde o assassinato do líder camponês e apoiador da Liga dos Camponeses Pobres, Renato Nathan Gonçalves Pereira, no município de Buritis, RO. O que se viu desde então, da parte da polícia e do velho Estado, foi a perversa transformação da vítima em criminoso, com intensa campanha difamatória na imprensa do Estado.

Sobre os sinais de bárbara tortura e de execução, bem como as denúncias da participação de policiais civis na ação que o assassinou, nenhuma iniciativa foi tomada.

Só não contavam com a intensa mobilização, inclusive internacional, movida por várias organizações de luta pela terra e de defesa dos direitos do povo, que promoveram atos políticos e comissões de advogados que pressionam para que o derramamento de sangue de Renato não fique impune. Encurralado, o delegado da ouvidoria agrária nacional, nomeado especialmente pelo ouvidor Gercino Filho, não tem respostas a dar ao movimento camponês e ao povo brasileiro.

Igualmente, o camponês Adimar de Souza, acusado de ter participado de um confronto armado na mesma região de Buritis, foi preso, torturado quase até a morte por policiais de Ouro Preto do Oeste, região central do estado, e permaneceu meses internado entre a vida e a morte numa UTI de Porto Velho. Só não contavam seus algozes com imagens feitas de Adimar gozando de perfeita saúde após sua prisão, inclusive dando entrevista. A Polícia Civil afastou dois policiais que seriam responsáveis e não se sabe também se haverá processo.

Esses são apenas exemplos do que enfrentam os camponeses hoje em Rondônia e, em alguma medida, no país todo. O governo Dilma não apenas lhes virou as costas, como também instruiu o poder judiciário e as polícias a fechar o cerco sobre os movimentos mais combativos. Encorajados, os latifundiários e seus bandos armados promovem todo tipo de atrocidade, com a tranquilidade de quem sempre teve as costas quentes. E com isso pretendem enterrar a questão agrária, num verdadeiro trabalho de enxugar gelo.

Como se trata de uma tarefa democrática de primeira ordem, a questão agrária só será resolvida com o fim do latifúndio, não só o improdutivo, mas de todo e qualquer tipo. É o que registra a história do país em seus ciclos de revoltas camponesas. E é essa a luta de morte que os camponeses sempre travaram, com consciência de seu papel histórico irrenunciável, de levar a cabo a revolução agrária como parte da revolução de Nova Democracia.


LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja