Editorial - "Proletários de todos os países, uní-vos"

A- A A+
Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

O Dia do Internacionalismo Proletário, o 1° de Maio, definitivamente não passou em brancas nuvens neste ano. Em dezenas de países, o proletariado e outros trabalhadores protagonizaram manifestações e protestos combativos, que não raras vezes acabaram em confrontos com as forças policiais. Como nas jornadas de maio de 1886 em Chicago – USA, o proletariado e as classes laboriosas encetam para o caminho dos protestos radicalizados.

A crise geral de superprodução relativa do capitalismo impele as classes trabalhadoras nos cinco continentes a lutas cada vez mais radicalizadas, porque promove o desemprego, redução de salários, corte de direitos, de serviços públicos como saúde, educação, etc. E também empurra o mundo para a guerra.

Para os governos e órgãos de gerenciamento de crises, a única saída é institucionalizar o fascismo para tentar conter as massas que há alguns anos têm feito das ruas o palco para seus protestos multitudinários, além de greves com grande adesão.

Enquanto isso, no Brasil, as centrais sindicais chapa branca, continuaram a já velha tradição de promover festas e shows com farta distribuição de prêmios e patrocínio de empreiteiras e transnacionais, além de outras empresas monopolistas. Realmente, o que se viu foi o show da conciliação de classes.

Ao observador menos atento, pode parecer que isso ocorre porque a crise, afinal de contas, ainda não chegou aqui, que não há motivo para insatisfação dos trabalhadores e ainda há os que não perdem a oportunidade para reafirmar a índole "pacífica" do povo brasileiro.

Enganam-se todos.

A crise está, sim, instalada há anos entre nós e cobrando seu preço de forma cruel e impiedosa. Durante mais de uma década os gerenciamentos de turno se dedicaram a promover medidas destinadas a garantir o lucro máximo dos monopólios nacionais e transnacionais, bem como dos bancos, que nas palavras de Luiz Inácio "nunca lucraram tanto na história desse país".

Tudo isso, claro, arrancado do suor e sangue do proletariado, do campesinato pobre e demais classes oprimidas da sociedade brasileira, que vêm perdendo paulatinamente direitos duramente conquistados há décadas e que já deviam ser ampliados.

Assim, a previdência (inclusive dos funcionários públicos) sofre constantes ataques, cada qual limitando mais sua abrangência como seguridade social. Os parcos rendimentos da poupança foram diminuídos, enquanto os bancos são autorizados a praticar taxas abusivas de juros. O desmanche do sistema público de saúde, seguidamente denunciado até mesmo pelo monopólio dos meios de comunicação. A educação pública (e mesmo a privada) aprovando analfabetos num ambiente violento e insalubre para professores e estudantes, etc. etc.

Mas, no tocante ao trabalho operário, que reflete a essência do 1° de Maio, nada é pior que as condições de trabalho na construção civil nas diversas obras realizadas com dinheiro público pelo país afora, notadamente as grandes usinas hidrelétricas no Pará e Rondônia.

Não faltam motivos para indignação com a absoluta superexploração da força de trabalho de milhares de operários, principalmente do Nordeste, atraídos pelas promessas do paraíso na terra que produz nova onda de migração para a Amazônia. Lá encontraram baixos salários, jornada de trabalho extenuante, alojamentos sem as mínimas condições de habitabilidade, comida de péssima qualidade, grande risco de "acidentes" de trabalho, entre outros crimes.

Mas sem dúvida a maior barbaridade é o regime de campo de concentração imposto a esses operários. Prisões, torturas e até assassinatos estão sendo denunciados por operários dessas obras. Forças policiais, da Força Nacional, Polícia Federal e até o exército (fora a segurança privada das empreiteiras) estão sendo utilizadas para reprimir todo e qualquer movimento operário. Um aparato semelhante, talvez maior, ao que era utilizado durante o regime militar, em obras como Itaipu.

E o povo brasileiro está longe de ser pacífico. A despeito de toda repressão e opressão, os operários seguem se mobilizando, fazendo greves à revelia de direções sindicais pelegas e governistas, enfrentando a polícia em protestos contra crimes cometidos em nome da Copa e Olimpíadas, resistindo às remoções forçadas e à militarização dos bairros pobres, protestando contra a matança de pobres no campo e na cidade...

Com exceção dos países em processo de guerra popular ou de libertação nacional, o proletariado internacional carece de vanguardas capazes de guiar as lutas das massas para a revolução. No Brasil a situação não é diferente. Mas, tanto lá como cá, as massas, através de sua luta e combatividade, produzirão essa direção proletária.

As massas, que tudo produzem, nada têm. A elas só resta abandonar as ilusões e lutar.


LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja