De Babel a Saddam

A- A A+

A Torre de Babel, um edifício escalonado de sete andares, surgiu na Babilônia como um eixo de ligação entre o Céu e a Terra. Seus tijolos haviam sido embebidos em óleo perfumado. Era um santuário cujos ritos de ambulatórios ascendentes levavam o povo e o sacerdócio a subir pelas rampas onde vicejavam jardins, numa metáfora do retorno da humanidade à sua origem cósmica comum. Entretanto, textos bíblicos comparam "Babel" à confusão de línguas, à multiplicidade falaciosa de cultos, desviando-se, assim, do significado original: "Porta de Deus". Quanto a este aspecto, na atualidade, os iraquianos se vêem como uma nação multipolar que privilegia a cultura plural. A Torre era entendida também como uma porta simbólica de acesso à fonte de toda a sabedoria proveniente dos deuses. Os judeus a interpretaram, enquanto cativos na cidade, como um testemunho da soberba e presunção humanas.

Saddam Hussein restaurou a Babilônia, seus templos, teatros e recintos vários, além de permitir a uma delegação austríaca a escavação do zigurate de Nebu, senhor dos escribas e das belas letras, em Borsippa. Pretendia ainda reconstruir a Torre de Babel e os jardins suspensos, tidos pelos gregos como uma das sete maravilhas do mundo antigo, no firme propósito de recuperar o esplendor perdido.

Segundo os profetas Isaías e Jeremias, a Babilônia havia sido um antro de corrupção e falsidade. Tudo porque ali não se cultuava Jeovah. Essa idéia fortaleceu o fanatismo protestante do governo republicano nos EUA, que satanizou "o berço da civilização" de modo a manipular a tradição religiosa em favor de suas reivindicações mundanas imperialistas. A batalha do Armagedon foi projetada na guerra contra Bagdad e Saddam identificado com o mal.

A mídia, sem credibilidade, amortece o sentido crítico do público para as nuances mais encobertas e sensíveis da realidade. Por reação, por exemplo, foi realizada, recentemente em Minnesota, uma mostra de pinturas iraquianas contemporâneas. A exposição, chamada Arte além fronteiras, tentava quebrar estereótipos enquanto reincidia neles. Meg Novak, autora da iniciativa, quis fazer entrever o "lado humano do Iraque", esperando lembrar que ali "existem seres humanos". Francamente, o que lá deveria haver? Pterodáctilos?!

Autores de renome eventualmente não se importam de engrossar as fileiras dos que compactuam com a fábrica do "terror". Deepak Chopra publicou em 1999 um livro intitulado Os Senhores da Luz, ilustração apocalíptica que articula um triângulo sui generis: o americano "herói e salvador da pátria", o kabalista israelense "dono da verdade" e o profeta iraquiano — pasme-se! — "O Anti-Cristo"! Esse último era descrito como "uma ameaça para o mundo" pois ocultava "um desastre nuclear de proporções espetaculares!" Ora, desastre de proporções espetaculares foi a operação "Choque e Terror" em Bagdad — as 25 mil bombas e mísseis lançados pela Coalizão sobre um país desarmado e devastado por doze anos de sanções econômicas!


As sanções demonstraram claramente
que o objetivo das potência dominantes
foi a contenção do desenvolvimento iraquiano


Para o aparato de Estado americano, G. Bush é S. Jorge e Saddam Hussein o dragão. A América é o paraíso e o Iraque, o inferno. Essa bem administrada psicopatia desmantelou qualquer possível observação racional e demonizou o "outro" como um meio paranóico de conter a nação que poderia alcançar a liderança no Oriente Médio. Enquanto se defenestra o socialismo progressista do Iraque — um dos locais onde as mulheres têm, como se sabe, maior liberdade e poder na região —, os EUA asseguram seu pacto com a Arábia Saudita, monarquia absoluta cujo sistema é um dos mais conservadores e obscuros do mundo.

As sanções demonstraram claramente que o objetivo das potências dominantes foi a contenção do desenvolvimento iraquiano, utilizando-se de uma solução "diplomática" para manter a guerra de baixa frequência*, o genocídio camuflado que matou mais de um milhão e meio de pessoas (por falta de medicamentos, efeitos de radiação e água contaminada) como meio de destruir o Iraque e enfraquecer a resistência. Cada cidadão teria direito a uma ração alimentícia que o mantivesse no limite da sobrevivência mínima. Saddam Hussein, porém, burlou o fato e ofereceu cestas básicas à toda a população.

Recordemos que o país havia sido incrivelmente próspero, absolutamente sem fome, com educação, hospitais e remédios gratuitos. Mas devido ao embargo, a situação se deteriorou em todos os campos, porque o bloqueio da ONU estendeu-se a quase tudo. Aviões estrangeiros não poderiam pousar na capital; proibido importar lápis e papel; proibido importar cloro, tinta para quadros e qualquer coisa que tivesse um lastro químico "para não ser usada em armas"; proibida a importação de cordas para instrumentos musicais; peças de reposição para veículos; bombas hidráulicas; proibido importar o mármore! Uma sentença de morte aleatória à simples existência!

Mas o Iraque não é o Inferno. Tem-se em conta que um dia ali surgiu o Éden terrestre. O povo deu a volta por cima, driblando as duras condições impostas. Continuou construindo, escrevendo, pintando, cantando, dançando, existindo. Foram realizados vários festivais de música, poesia, folclore e teatro.

O mercado de artes de Karrada-Dachel, em Baghdad, um labirinto pitoresco de ruelas, pátios e galerias underground, talvez tenha sobrevivido aos bombardeios de março. Antes disso, fervilhava. Telas saltavam ainda aos olhos, eclodindo em cores, visões e paixão. Era como se os artistas dissessem: "Não nos podem impedir de sonhar!" Uma obra-prima podia ser comprada por poucos dólares já que o dinar quase não valia. Mas há muito tempo no Iraque não se trabalha por dinheiro — trabalha-se pela vida!

É uma terra onde as artes visuais sempre proliferaram. Gigantescos touros androcéfalos viram a luz do sol no alvorecer da era da arqueologia; ruínas revelaram a face de longínquos deuses alados e reis resplandecentes... Do fundo da memória, em contraste com a palidez do deserto, os pintores de hoje retiram seus fantasmas esquecidos e os recriam com força nova. A palheta grita cheia de turbulência e fantasia.

Tarik Aziz, (ex-vice-primeiro ministro, bem como ex-ministro da Cultura) nos conta em uma entrevista: "O estado baathista fez muito pela promoção das mulheres e pelo desenvolvimento da criação artística. Como prova disso, temos o grande número de galerias de arte expondo uma criação nada convencional, mas que, pelo contrário, transborda de imaginação. O Iraque é um país de artistas plásticos e poetas. Tenho muitos amigos no meio artístico. Esses laços remontam ao tempo em que eu estudava no Instituto de Belas Artes." (Iraque, a guerra permanente)

{mospagebreak}


O patrimônio iraquiano foi gradualmente
dilapidado desde a Guerra do Golfo,
a despeito dos esforços do governo para protegê-lo


Saddam Hussein sempre foi um grande patrono, tendo ele mesmo se dedicado à literatura. Em 1977, ainda vice-presidente, criou o Dia do Conhecimento. Desde que as sanções afrouxaram um pouco em 1996, encaminhou dinheiro para largos programas. Abriu seis escolas de Belas Artes, todas decoradas com motivos arquitetônicos assírio-babilônicos, além de vários centros de estudos cuneiformes e universidades destinadas à preservação da diversidade cultural do Oriente. Tarik Aziz comenta: "As sanções querem que nos preocupemos somente com a sobrevivência."

A decadência, porém, não pode ser evitada. O lucro fácil produziu uma máfia crescente de ladrões de antiguidades, cujo espólio saía do país em direção a Israel, Grã-Bretanha e EUA. O patrimônio do povo iraquiano ia sendo gradualmente dilapidado, desde a primeira guerra do Golfo, a despeito dos esforços tremendos do governo para protegê-lo e salvaguardá-lo, interditando, por exemplo, o acesso a sítios importantes como o zigurate de Ur.

Hoje, o "American Council for Cultural Police", cujo presidente, Ashton Hawkins, tinha sido vinculado ao Metropolitam Museum de N.Y. até o ano 2000, coloca em risco aquele inestimável tesouro. Esta organização foi criada para permitir o livre trânsito de material arqueológico de países originários para colecionadores americanos. Visa legitimar a circulação de obras no mercado. Ou seja, transferindo o acervo do domínio público (museus e instituições nacionais) para coleções particulares, priva criminosamente a humanidade daquilo que lhe pertence, daquilo que é seu de direito para beneficiar alguns privilegiados. Há também a intenção sub-reptícia de ocultar achados conclusivos que instaurariam uma reinterpretação da História Primordial da Mesopotâmia e consequentemente, da humanidade, já que Saddam Hussein se determinara a divulgá-los.

Para o Baath, a preservação e informação relativa à herança milenar iraquiana eram a base da identidade nacional. Sua ideologia pan-arabista, secular e socialista, reconhecia e salientava a importância do Islam para o Oriente Médio, mas não o identificava como a fonte prioritária para a articulação dos árabes. Integrando a civilização islâmica às demais que a precederam naquele solo, elegeu os fundamentos da cultura e não os da religião como o amálgama fundamental da união árabe e de todos os povos, ainda que, na década de 90, tenha intensificado o apelo místico em consonância com o desejo popular. Contrastando com isso, o Irã persa e não árabe, levantou a onda de uma revolução xiita radical cujo credo fundamentalista aspirava a ampliação de seu domínio na região. O Iraque, cujo governo laico separava a fé do Estado, serviu de tampão na guerra então travada contra o expansionismo iraniano sobre seu próprio território e sobre as monarquias sunitas vizinhas, o que lhe deveria garantir o perdão de dívidas que acumulara com aqueles países. O Kuait, entretanto, não o fez e esse foi um dos muitos motivos da invasão posterior.

O aiatollah Khomeini herdara o formidável aparato bélico que o Xá Reza Pahlevi adquirira do Ocidente. Para fazer face à ameaça iraniana e seu exército colossal, três vezes maior do que o iraquiano, Saddam recebeu "ajuda" (lucrativa), pois quem não queria vender armas ao Iraque? Mas a estratégia americana previa, desde então, a aniquilação do país e pensava mais longe: que as duas nações aspirantes à hegemonia do Golfo se destruíssem mutuamente e sucumbissem. Desta forma, seus objetivos neocolonialistas poderiam se efetivar.

As ambições de Saddam Hussein pela militarização do Iraque almejavam, na verdade, conseguir poder dissuatório e de barganha diante das potências estrangeiras para que sua independência político-econômica fosse assegurada. Ele preconizou, de fato, a emergência de um estado-modelo, expoente de intercâmbio comercial, cultural e científico, que liderasse o Terceiro Mundo no direito de acesso à tecnologia de ponta, já que as nações dominantes não permitem sua transferência. Saddam propunha lançar o Iraque na era espacial e injetar as bases da pesquisa pacífica de energias alternativas voltadas ao desenvolvimento, ambiente e cultura. Disso se tem prova após a descoberta, em abril deste ano, da magnífica base subterrânea de Al-Twaitha, propriedade da Comissão de Energia Atômica do Iraque.

Infelizmente, uma massa de propaganda jamais vista antes tem sido destinada à detração do país e de seus objetivos. Criando-se um contraponto artificial ao "Ocidente civilizado", todos os meios fraudulentos foram usados para que a opinião pública mundial aceitasse o Iraque, entre outras nações, como um "país-pária".

Não há como negar: nossa civilização surgiu na Mesopotâmia, entre os rios Tigre e Eufrates, sob o céu causticante e fontes generosas. Há seis mil anos ali foram fundados os alicerces da História. Brotaram nesta pátria nossas noções de tempo, calendário e escrita. Os babilônios reconheceram o Zodíaco celeste e mapearam todas as constelações do hemisfério norte. Podiam fazer cálculos quase tão assombrosos quanto os nossos. Organizaram as leis, edificaram cidades ajardinadas, dotadas de encanamento e redes hidráulicas; sua ciência da irrigação nos legou o campo arável e frutífero; seus templos, os zigurates, orientavam-se pela latitude da terra e pelos quadrantes estelares.

Há cinco mil e quinhentos anos, em Uruck, o primeiro grande centro urbano, a sociedade se fez igualitária. O empreendimento e o consumo eram coletivos. Um "estado-previdência" efetivou-se. As decisões da comunidade eram tomadas pela elite em favor da distribuição de bens aos quais todos deviam ter igual acesso. Instaura-se aí, como vemos, uma forma conceitual de socialismo democrático.

Quando na década de 60 os baathistas tomam o poder no Iraque, estavam reativando uma fórmula antiga, um socialismo que não precisava inspirar-se em outros lugares, porque suas raízes estavam ali, bem à vista, há milênios. O homem forte, Saddam, também não necessita ser comparado aos ditadores deste século. Ele é tido, em geral, como um novo Nabucodonosor, um novo Saladino.

O ideário do Baath sempre implicou na visionária percepção do eterno retorno, do moto continuum, dos aclives e declives, da morte e do ressurgimento. Das primeiras cidades da Suméria à assíria Nínive, da velha Caldéia ao império neo-babilônio, da Bagdad dos califas abássidas aos santuários de Najaf e Karballah, um elo intermitente de glória nunca se rompeu. O rei Nabucodonosor, ele mesmo, reacendeu em seu tempo, o esplendor da já vetusta Babilônia, da já antiquíssima Torre de Babel e a elevou ao cume.

Mas Saddam Hussein não se limitou a evocar os ícones do passado. Foi também um grande modernizador. A nacionalização do petróleo que ele obteve em 1972, quando ainda não era presidente, deveria garantir a disponibilização de inigualáveis fontes de riqueza das empresas estrangeiras para o país, visando o disparo necessário à realização do "estado da arte". Uma nação alinhada com o futuro. Mas isso não seria possível sem que o povo fosse tirado da ignorância e do atraso. Ele começou então uma vasta campanha educativa de erradicação do analfabetismo, fazendo passar por ela dois milhões de pessoas em cinco anos angariando com isso, o prêmio máximo da Unesco pela universalização do ensino, o Kropeska. O projeto do "grande Iraque" deveria começar assim: com lápis e papel.

Enquanto esses ideais permanecem, bombas são atiradas sobre o solo ferido. Os árabes, pela ótica imperialista e sionista, devem voltar a viver no pó do deserto... Os que resistem e defendem a pátria são criminalizados. Em maio deste ano, o cantor Daud el Qaissi foi assassinado em sua casa de Bagdad pelas tropas americanas. Era o Presidente da União dos Artistas Iraquianos, ativista político cuja luta ardente reuniu cantores, poetas, atores e pintores na mobilização contra a invasão estrangeira. Um mártir da terra... de uma terra que deixou seu selo na eternidade.

Nossa geração tudo dá ao Altíssimo;
ó Grandeza, nós retornamos
e renascemos
para a nação que construímos
com insuperável determinação,
cada mártir seguindo outro mártir...

(Hino do Iraque, trecho, Shafik Abdul Jabar, 1981)


Yasmin Anukit é Museóloga, Escritora, Professora de História da Arte, Estudos Orientais e Civilização Islâmica.
*Nota da Redação: Trata-se da Guerra de Baixa Intensidade (GBI), expressão com que ficou mais conhecida nas notas e referências militares.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja