Cenas vivas da realidade nacional

A- A A+
 

Desemprego leva mais de 120 mil pessoas a se inscreverem em concurso público para gari. Além das filas, taxas e humilhações, povo sofre com truculência da polícia militar.

Foto: Aristeu Barbosa

120 mil trabalhadores passaram dez dias de humilhação
na fila de inscrição da Comlurb, Rio de Janeiro

Ao contrário da propaganda oficial, país vai de mal a pior. Segundo recente pesquisa feita pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), 19% da população do estado do Rio de Janeiro - cerca de 2,8 milhões de pessoas - vive numa situação de extrema miséria, em total indigência. A pesquisa usou como critério para definir o número de indigentes da cidade o valor mínimo necessário para uma pessoa se alimentar, conforme os padrões da Organização Mundial de Saúde (OMS), e que seria de R$ 80 por mês. Milhares de pessoas não alcançam essa quantia para sua subsistência, vivendo de restos de comida e coleta de sobras do lixo.

Desemprego recorde

Em São Paulo, o desemprego, em abril deste ano, bateu a casa dos 20%, sem contar os trabalhadores informais e os que já desistiram de procurar emprego, conforme pesquisa realizada pelo DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos). E essa situação, nestes primeiros seis meses de administração petista, só tem se agravado.

Estes dois dados ilustram a condição dos trabalhadores apenas nas duas maiores e mais desenvolvidas regiões do país. Nas várias outras pequenas e grandes cidades, muitas vezes a situação é pior. Recentemente, um simples anúncio de emprego divulgado pela prefeitura do Rio de Janeiro pôs a nu, da forma mais contundente e brutal, a terrível face do desemprego: mais de 120 mil pessoas, de diversas idades e origens sociais, se espremeram em busca de uma inscrição no concurso da Comlurb (Companhia Municipal de Limpeza Urbana) para gari.

Filas, taxas e violências

Como se não bastasse essa dificílima situação, os milhares de candidatos às vagas oferecidas no serviço de limpeza da cidade tiveram de enfrentar mais de quatro horas de espera em filas intermináveis na Praça da Apoteose (sambódromo carioca) e a violência da polícia militar — chamada pelos organizadores do concurso para intimidar e reprimir os desempregados —, que acabou agredindo covardemente diversas pessoas, utilizando, inclusive, mais de 10 bombas de gás de efeito moral contra a multidão.

Os mais de 120 mil inscritos no cadastro da Comlurb tiveram de arcar com o pagamento de uma taxa no valor de R$15 e concorrerão a colocações com renda total de R$610. As provas realizadas pelos candidatos abrangerão - além de conhecimentos elementares de língua portuguesa - testes de resistência física, pois o trabalho de recolha de lixo e varrição de ruas é extenuante.

Edição impressa

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

PUBLICIDADE

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!
#
#
#

ONDE ENCONTRAR

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja