Capítulos finais do oportunismo no movimento estudantil

A- A A+
Pin It

De 17 a 22 de junho, realizou-se em Goiânia o 48º Congresso da UNE (União Nacional dos Estudantes). Para quem assistiu a esse evento, certamente chamou atenção a grande farra em que se transformou o congresso. A única diferença deste ato para um baile carnavalesco é que, neste, levantam-se pompons e balões; já no CONUNE erguem-se crachás. Da antiga UNE, organizadora de grandes lutas estudantis, hoje só restam lembranças.

Certamente, uma das causas do atual estado de falência da UNE está na política e nos métodos de direção utilizados por correntes que hegemonizam a entidade há vários anos. O PCdoB, principal tendência dentro da entidade, conseguiu aperfeiçoar métodos escusos de eleição, que o garante na gerência deste rentável negócio que se transformou a UNE, mera fabricante de carteirinhas de meia-entrada. O sistema de controle desta organização se baseia na despolitização completa de setores do movimento estudantil, o que resulta num processo estéril de escolha de delegados para o congresso — geralmente as pessoas que se deslocam até ali vão atraídas pela propaganda dos shows e festas que irão acontecer no local. Somente uma minoria de universitários comparece a tais congressos interessada em debater os rumos do país e as lutas estudantis.

Duas entidades distintas

Em outros tempos — 1968, na cidade de Ibiúna, interior de São Paulo, — mais de mil delegados de universidades de todo o Brasil se reuniam clandestinamente para discutir a organização do movimento estudantil na luta contra a ditadura militar. Mesmo com a prisão de quase todos os presentes, o movimento estudantil ainda conseguiu dar importantes contribuições às lutas pelas liberdades democráticas. Nenhum vestígio sequer guarda a UNE destes seus tempos de luta e rebeldia; nada restou nesse atual ajuntamento oficialista e paralisado.

Congressos como este só podem ser considerados como uma afronta ao passado de lutas da entidade. A seriedade e a democracia que permearam os encontros estudantis até o início dos anos 80 se esvaiu completamente e foi substituída pela total falta de discussões e pela burocratização, pela prática sem princípios e pelos métodos de representação que simulam a democracia.

Esvaziamento

Os grupos de discussões foram praticamente inexistentes — só ocorreram em dois dias e não reuniram 10% dos presentes. As diversas palestras com membros do governo serviram para estancar ainda mais o debate de idéias. Nas plenárias foram discutidas as propostas aprovadas pelo grupo de sistematização, de forma que só se dá espaço àqueles que interessam à direção do CONUNE. O controle das propostas é total. Nas votações, ninguém consegue saber em que está votando. É comum ver "dirigentes" acordando estudantes embriagados e dizendo: "Levanta o crachá!" E é assim que se definem as políticas da entidade.

Porém, a cena que mais sintetiza a grande diferença dos congressos da UNE de hoje dos congressos dos anos 60 e do período de reconstrução é a votação para a nova diretoria. Três horas antes da eleição todos os portões do Ginásio Internacional de Goiânia foram fechados, e a partir das 17 horas os delgados estavam proibidos de deixar o local onde se realizava a plenária final. A UNE, como um órgão estatal, utilizou sua força especial de repressão: dezenas de seguranças contratados, para impedir que os estudantes abandonassem o congresso. No passado, conta-se que operários faziam a segurança dos estudantes para evitar problemas com a repressão. Hoje, seguranças profissionais estão presentes para intimidar a massa estudantil a votar. Grande democracia!

Depois disso é então formada uma fila em direção a saída, e perto da porta se encontram as urnas para a votação; cada chapa possui uma urna na qual os delgados depositam seus crachás de forma que é possível controlar em quem cada um está votando.

Oficialismo

O 48º Congresso da UNE foi uma típica armação política oficial. Sua abertura cumpriu o protocolo de solenidade oficial, com ministros de Estado, governadores e políticos tradicionais presentes. Destaque-se o Ministro da Educação, Cristóvam Buarque, consultor do Banco Mundial para Educação e Marconi Perillo, governador de Goiás pelo PSDB. Mesmo a tônica dos debates seguiu a linha governista, com discussões vazias sobre a redução de 0,5 ou 1,5% da taxa de juros, como vem fazendo a administração federal.

Nas questões da educação, o caráter governista da UNE se torna ainda mais evidente. Ela se transformou apenas em uma subsecretaria do MEC, sem voz nem ação. A UNE de hoje dá suporte à reforma universitária, à sua privatização e sucateamento, que não é nada mais do que a continuidade do projeto MEC/USAID, contra o qual tanto lutou a UNE nos anos 60.

As correntes majoritárias dentro da entidade declaram-se também plenamente a favor das reformas antipopulares que o governo vem tentando implementar. O discurso de "dirigentes estudantis" mais parece a verborragia parlamentar do PT. O tom oficial e cordato das declarações da nova diretoria da UNE é mostra de sua fidelidade ao governo Lula.

Novos tempos virão

O quadro tenebroso do último congresso da UNE não representa uma falência geral do movimento estudantil brasileiro. A falência é da UNE oficial, não do estudantado nacional. A tese do PC doB, vencedora do congresso, se chama "Pra conquistar o novo tempo". Se for analisada a realidade do país, poderá se perceber que realmente um novo tempo de revelações para o povo virá, um tempo em que oportunistas históricos serão definitivamente desmascarados. A própria desagregação da UNE já pode ser vista nas diversas lutas estudantis do último período — praticamente todas organizadas em a margem desta entidade oficial.

Seguramente, o movimento estudantil não cessou de lutar e, mais dia menos dia, a juventude reconstruirá suas organizações.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja