Europa: crise geral castiga 'economias sólidas'

A- A A+
http://www.anovademocracia.com.br/110/13a.jpg
Ingleses recorrem a bancos alimentares para enfrentar crise

O núcleo da Europa do capital monopolista, formado pela tríade França, Alemanha e Grã-Bretanha, potências imperialistas, não consegue mais mascarar o fato de que não há, na Europa ou no mundo, qualquer país a salvo da profunda e prolongada crise que vai corroendo as estruturas do sistema capitalista internacional.

Na França o desemprego bateu o recorde histórico de 1997, chegando ao número de 3,22 milhões de pessoas sem ter como se sustentar. Somando-se a esse dado o número de desempregados nos territórios sob domínio francês em outros continentes e de trabalhadores que estão vivendo de "bicos", o número de pessoas sem trabalho na França ultrapassou pelo primeira vez a marca de cinco milhões de cidadãos.

Na Alemanha, onde a "chanceler" Angela Merkel arrota "estabilidade" para tentar impingir alguma legitimidade aos desmandos dos bancos germânicos nas nações periféricas do capitalismo europeu, uma das maiores transnacionais do país, a Volkswagen, vem chantageando os trabalhadores de suas fábricas para aceitarem um acordo de "moderação salarial".

Pressionado pelo capital, o proletariado alemão ora se esmera para não dar brecha aos patrões. Em vez de negociar salário menor, exigem melhores remunerações. No último dia 2 de maio, cerca de 50 mil operários metalúrgicos alemães de mais de cem fábricas diferentes saíram às ruas exigindo aumento salarial de 5,5% para um total de 3,7 milhões de trabalhadores da categoria.

Enquanto Merkel insiste em cantar de galo, os indicadores da economia capitalista que ela administra para o bancos e os monopólios mostram que basta apenas mais um trimestre de diminuição na produção econômica, como foram os dois últimos, para a Alemanha entrar oficialmente em recessão. Pesquisas mostram a burguesia alemã cada vez mais pessimista com o futuro, o seu próprio futuro.

Na Grã-Bretanha, onde os chefes políticos costumam ostentar a libra esterlina como garantia de qualidade do seu também podre capitalismo, a sanha de políticas antipovo, referenciada polidamente como "austeridade", fez o número de pessoas que precisam recorrer à ajuda de bancos alimentares quintuplicar desde 2010. De abril de 2012 a março de 2013 um total de 347 mil pessoas foram pelo menos uma vez buscar kits de alimentos não perecíveis, um aumento de 170% em relação ao igual período entre 2011 e 2012.

A entidade que organiza os bancos alimentares na Grã-Bretanha informa que muitas pessoas que recorrem à sua ajuda não estão desempregadas, mas simplesmente "não ganham o suficiente numa economia em que os preços continuam a subir e os salários continuam a baixar".

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

73 milhões de jovens desempregados

Não há mesmo nação imune à crise do sistema de exploração do homem pelo homem. Um estudo divulgado no último dia 8 de maio pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) mostrou que um total de 73,4 milhões de jovens (com idades entre 15 e 29 anos) estão desempregados em todo o mundo, e subindo. Trata-se de 12,9% das pessoas desta faixa etária. Na América Latina, o índice é acima da média: 13,2%.

O número de jovens desempregados no mundo é maior em 3,5 milhões de pessoas em relação à medição de seis anos atrás, em 2007. Nos países centrais do capitalismo o desemprego jovem disparou 24,9% entre 2008 e 2012, um verdadeiro atestado de atolamento na crise.

São números oficiais, com todos os vícios, malabarismo e estratagemas que as contas para se chegar a eles costumam ter. Entre os artifícios que os órgãos internacionais do imperialismo costumam usar quando se metem a contabilizar o número de pessoas sem trabalho está o de praticamente ignorar o subemprego e a semi-escravidão, que no cenário da crise geral se espalham como ervas daninhas, muitas vezes com apoio dos "governos" de turno mundo afora.

Um exemplo: segundo o estudo da OIT, os menores índices de desemprego juvenil do mundo são da Ásia Oriental (9,5 %) e na Ásia Meridional (9,3%), justamente onde crianças e jovens são explorados pelas transnacionais ianques e europeias sob condições draconianas, sem direitos trabalhistas, sob salários de fome e em condições de trabalho para lá de precárias, sujeitos, por exemplo, a acidentes, incêndios e desabamentos frequentes, como os últimos acontecimentos de maior repercussão internacional nas fábricas têxteis do Bangladesh estão aí para provar.


Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja