Mato Grosso do Sul: Greve na construção arranca reajuste

Os operários da construção de Campo Grande – MS realizaram combativa greve que paralisou as principais obras da capital entre os dias 6 e 12 de junho.

Cerca de 15 mil operários aderiram à greve reivindicando 33% de reajuste salarial e melhores condições de trabalho. Durante as negociações, o Sinduscom/MS (sindicato patronal) ofereceu 6,67%, que foram rechaçados pela categoria que atualmente recebe valores próximos de R$ 600.

Nas assembleias da greve, trabalhadores denunciaram que recebem um valor registrado na carteira e outro "adicional por fora", que muitas vezes é maior que o próprio salário, mas não pode ser descontado o INSS e FGTS, além de não compor o 13° salário.

No dia sete, cerca de dois mil operários protestaram no centro de Campo Grande e se uniram a uma manifestação de indígenas que denunciavam a violência policial e a invasão de suas terras.

As obras permaneceram paradas até o dia 11, quando ocorreu a assembleia da categoria que aprovou uma contraproposta patronal que reajustou o salário dos serventes, auxiliares de escritório e vigias terá reajuste em 11,36%, passando para R$ 735,00. Os meio oficiais, passarão a receber o piso de R$ 808,00. Motoristas e oficiais terão reajuste de 12,36%, passando a receber R$ 1 mil. O reajuste dos apontadores foi de 10,11%, estabelecendo o piso de R$ 980,00; os dos trabalhadores de almoxarifado, 10,75% e piso de R$ 1.030,00 e, por fim, o de mestre de obra, 10% e piso de R$ 1.540,00.

Para os trabalhadores que ganham acima do piso salarial, o reajuste será de 7,60%.

Outra conquista da greve foi a redução do desconto do vale transporte, de 6% para 3%.

Revoltas contra calote dos patrões em Sidrolândia

Após 150 dias sem receber seus salários, operários de uma usina de álcool em Sidrolândia (MS) se revoltaram e deflagraram greve. Em 12 de junho os trabalhadores tomaram as ruas da cidade com faixas e palavras de ordem.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Fabricação do Açúcar e Álcool de Rio Brilhante e a Federação dos Trabalhadores nas Indústrias de Mato Grosso do Sul, os trabalhadores deflagraram a greve exigindo que o usineiro José Pessoa, dono da empresa pague suas dívidas com os trabalhadores que já acumulam mais de R$ 15 milhões em salários não pagos. Os operários também denunciam que a usina não repassa as contribuições para a Previdência.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Parisi-São Paulo

Operários incendeiam escritório de construtora

http://www.anovademocracia.com.br/112/15c.jpg

Em 11 de junho, cerca de 40 operários da construtora Scamatti & Seller Investimentos cruzaram os braços e protestaram no canteiro de obras em Parisi, onde estão sendo construídas 90 casas populares sob responsabilidade do governo federal.

Os operários se rebelaram contra o atraso de 45 dias nos pagamentos de seus salários e incendiaram o escritório da empresa. A maioria dos trabalhadores dessa obra é oriunda do Nordeste do país e denuncia que a oba foi interrompida pela empresa sem que recebessem salário e dinheiro para passagens de retorno às regiões de origem.

Reportagem publicada em regiaonordeste.com destacou que um operário "denunciou o caso ao Ministério do Trabalho, já que, segundo ele, além do atraso salarial, operários trabalhavam sem equipamentos de segurança adequados, e ficam alojados em um almoxarifado, com poucas condições de higiene. 'Eles simplesmente pararam a obra e a gente ficou sem receber'".


NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin