Relatório acusa: gerência Dilma é a pior

http://www.anovademocracia.com.br/114/13.jpg

A omissão da gerência PT/FMI quanto aos povos indígenas brasileiros em 2012 provocou violências que resultaram em 106.801 vítimas, representando um aumento de 72% em relação ao ano anterior (61.988 vítimas).

Outro crescimento escandaloso foi observado no aspecto Violência contra a Pessoa, no qual estão incluídos homicídios, ameaças de morte, tentativas de assassinato, racismo, lesões corporais e ataque sexual. O número passou de 378 para 1.276 vítimas, revelando uma piora de 237% em comparação com 2011.

No tocante à legalização das terras dos índios, 44 processos "estão engavetados no Palácio do Planalto, aguardando apenas a assinatura da presidente da República". Desde 1985, "com média anual de cinco homologações, Dilma é a presidente que menos homologou terras indígenas no Brasil".

Todas essas informações constam do Relatório de Violência Contra os Povos Indígenas no Brasil (dados 2012), elaborado pelo CIMI (Conselho Indigenista Missionário) e divulgado recentemente.

As realidades apresentadas "neste Relatório provam, de modo irrefutável, a intolerância e truculência vigentes em nosso país em relação às populações indígenas. Terras demarcadas são invadidas, depredadas sob o olhar complacente do poder público. Terras com todo o processo demarcatório já concluído têm seus procedimentos paralisados pelo governo federal em troca de apoio político no Congresso Nacional" – acusou o CIMI.

No termo "apoio político" leia-se os verdadeiros complôs montados entre a gerência petista, o latifúndio, empresas do "agronegócio" e os ditos parlamentares ruralistas, contra as nações indígenas do Brasil. Dentro e fora do Congresso.

Disse o documento: "Os setores econômicos anti-indígenas, especialmente os ligados ao agronegócio e às empresas de capital internacional que monopolizam e controlam todas as fases do setor, tais como Monsanto, Bayer, Basf, Syngenta, Cargill e Bunge, buscam ter o poder nas próprias mãos para decidir acerca da "não" titulação de terras quilombolas, da "não"criação de novas unidades de conservação ambiental e da "não" demarcação das terras indígenas no país".

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro