RJ: Revolta popular na Vila Cruzeiro

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

No fechamento desta edição de AND recebemos a informação de que, na noite do dia 13 de agosto, moradores da Vila Cruzeiro, no Complexo da Penha, zona Norte do Rio, protagonizaram uma revolta contra a morte de Laércio Hilário da Luz Neto, 17 anos, e acusam policiais militares pela morte do jovem. Em justa rebelião popular, três ônibus foram incendiados e um carro da PM foi apedrejado.

Laércio estava desaparecido desde a noite do dia 12 e seu corpo foi encontrado na laje de uma residência na Rua 6. O jovem estava aprendendo a trabalhar como barbeiro e sua tia afirmou aos meios de comunicação que, mesmo ele não tendo envolvimento com o tráfico, constantemente era abordado por soldados da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP). O coronel Frederico Caldas, comandante da Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP), foi a Vila Cruzeiro e disse desconhecer qualquer tipo de abordagem feita pela UPP contra a vítima.

Amigos da vítima ainda afirmaram que ele teria sido abordado um dia antes de falecer e seu pai disse que, meses antes, ele tinha recebido uma ‘dura’ truculenta.
Durante a manifestação, que teve início por volta das 21h, um ônibus foi incendiado na esquina das Ruas Maragogi com Aimoré, e outros dois na Rua Taperoá. O carro da polícia foi atacado na Praça São Lucas, bem próxima à base da UPP. A repressão utilizou balas de borracha, mas no início da madrugada foram ouvidos barulhos de tiros de munição real.

No dia seguinte, o policiamento foi reforçado na região. As duas UPPs da comunidade Vila Cruzeiro e da vizinha Parque Proletário foram inauguradas em agosto de 2012 e são responsáveis pelo patrulhamento de seis favelas.

Em plena indignação popular pelo desaparecimento do morador da Rocinha, o pedreiro Amarildo de Souza, o aparato policial do velho Estado comete outro (um dos inúmeros) crime contra a população pobre do Rio.

 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin