Burguesia alemã quer patrimônio da Grécia

Na Grécia, professores secundaristas e várias outras categorias de funcionários públicos protagonizaram, no dia 29 de agosto, uma jornada de lutas contra mais uma rodada de medidas antipovo no âmbito da contrarreforma do Estado grego exigida pela famigerada Troika interventora (Comissão Europeia, Banco Central Europeu e FMI).

O mais novo ataque do gerenciamento grego títere da Europa do capital monopolista é generalizar entre o funcionalismo público a prática da "mobilidade e disponibilidade", que consiste obrigar os trabalhadores que estão na linha de frente dos serviços públicos prestados à população a aceitarem quaisquer mudanças de funções e de local de trabalho. Caso se recusem a baixar a cabeça ante a arbitrariedade, podem engrossar o quadro dos funcionários públicos que a Troika e seus paus-mandados de Atenas gostam de chamar de "excedentários", sobras humanas, sujeitos a reduções de salário e perda do vínculo de estabilidade depois de alguns meses. Em suma: ou vai fazer o que o Estado mandar, e onde o Estado mandar, ou entra em uma contagem regressiva para demissão.

Mas isto, a demissão, é mesmo o objetivo último da prática de nome pomposo da "mobilidade e disponibilidade". Com ela, o Estado grego pretende colocar no olho da rua dezenas de milhares de trabalhadores, a fim de reduzir ao mínimo possível, em quantidade e qualidade, os serviços públicos que são direitos da população.

Até agora o programa de "mobilidade e disponibilidade" já vitimou quatro mil funcionários públicos, e o plano do gerenciamento do "primeiro-ministro" Antonis Samaras e da Troika é incluir mais 12.500 trabalhadores do Estado neste regime de exceção laboral. Entre eles estão 3.495 professores que Atenas quer obrigar a transitarem para "serviços administrativos", a custa da redução de disciplinas nas escolas públicas, da redução do tempo de ensino de idiomas estrangeiros e do aumento da carga horária semanal em duas horas dos docentes que permanecerem nas salas de aula.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin