RJ: Professores contra o descaso e a repressão

A- A A+
http://www.anovademocracia.com.br/117/09.jpg
Assembleias dos professores em greve foram marcadas por grande presença dos profissionais.

Os professores das redes municipal e estadual do Rio de Janeiro mantêm-se em greve após mais de um mês de mobilização e negociações com os governos de turno.

Como já havíamos abordado na edição anterior, a base combativa de professores em luta, que vem desafiando os acordos impostos entre governo e direção do sindicato, está se fazendo ouvir.

O professor de sociologia da rede estadual, Guilherme de Macedo Moreira, está participando ativamente do movimento grevista e dá o seu depoimento:

Guilherme nos fala sobre os últimos acontecimentos políticos da greve.

 — Mesmo diante das adversidades, no dia 4 de setembro, insatisfeitos com mais uma audiência de negociação sem avanços expressivos e indignados com a liminar que impôs uma multa de 300 mil reais por dia ao sindicato, os profissionais da educação fizeram jus à conjuntura nacional de levantes populares e decidiram ocupar o prédio onde provisoriamente funciona a Secretaria de Estado de Educação, resistindo corajosamente a mais uma ação truculenta da Polícia Militar — diz, referindo-se à ocupação protagonizada pelos professores da rede estadual na Seeduc que foi reprimida violentamente pela polícia e desfeita à base de cacetadas.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Perguntado se a greve está fortalecida, ele responde:

 — Acho que em termos qualitativos sim, em decorrência principalmente do caráter do último ato na Seeduc, mas em termos quantitativos tivemos algumas perdas em consequência da falta de esclarecimentos à categoria por parte do sindicato de que o direito de greve está assegurado, mesmo tendo sido concedida a liminar em favor do governo — avalia.

Guilherme esclarece sobre o papel do sindicato no processo. A direção do Sepe vem trabalhando para desmobilizar a greve desde seu início. A não unificação entre as duas redes em greve é um exemplo contundente desta prática.

— Entendemos que a unificação entre as redes municipal e estadual fortaleceria o movimento ampliando a probabilidade de obter vitórias. Como esse projeto não se viabilizou, parte significativa da direção do Sepe passou a dedicar-se exclusivamente a conduzir a greve da rede municipal. Essa 'preferência' culminou na formação de diferentes problemas, contendo em certa medida o avanço da mobilização na rede estadual e contribuindo para o fim da greve histórica e de ampla adesão da rede municipal — assinala.

E ainda aponta outros entraves à greve impostos pelo sindicato:

— A burocratização, somada às divergências entre as frações, principalmente eleitoreiras, impõem entraves à militância de base e, em consequência, à greve. Enfrentamos dificuldades para reproduzir materiais, publicar vídeos de esclarecimento, etc. Tudo isso incide sobre a capacidade de conquistar a 'opinião pública'. Temos ainda uma limitação quantitativa que é recompensada pela disposição daqueles que se empenham na construção da greve: seja participando das assembleias regionais e gerais, das passeatas, atos e também visitando escolas objetivando esclarecer os profissionais que não aderiram a greve e os estudantes, principais afetados com a política de precarização da educação perpetrada pelo governador Sérgio Cabral e o Secretário de Educação, Wilson Risolia.

Sobre o futuro do movimento, Guilherme fala:

— Dado esse salto qualitativo na luta dos trabalhadores da educação do Rio de Janeiro, tendemos à criação de novos fatos políticos de caráter igualmente combativo, dando visibilidade ao movimento e intensificando a pressão sobre a desgastada gerência de turno PMDB. Precisamos fortalecer a convicção de que somente a luta popular, classista e combativa, conduz a nossa categoria e as classes trabalhadoras à vitória.

Até o fechamento desta matéria, a assembleia da rede municipal (em 10/9) havia aprovado a passagem para 'estado de greve' apontando possível saída da greve para a próxima assembléia, com conquistas mínimas de promessa de plano de carreira.

A rede estadual permanecia mobilizada e convocando para a sua assembleia seguida de ato no dia 11 de setembro.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja