Morte por excesso de trabalho em banco ianque

http://www.anovademocracia.com.br/118/16b.jpg
Moritz Erhardt

As grandes companhias capitalistas transnacionais costumam apregoar os seus programas de estágio e de "trainee" como autênticas maravilhas, jóias do mundo das "oportunidades" – oportunidades de uma carreira sólida e de um salário digno – que, dizem, só este modelo de relações de produção e de trabalho pode proporcionar. Incentiva-se a disputa acirrada, quase que a tapas, por uma vaga de aspirante a contratado em uma grande empresa, seja financeira, seja industrial.

Não raro, as administrações dos países de capitalismo avançado (e apodrecido) e os gerenciamentos das semicolônias do mundo manejam os números dos programas de estágio e trainee mantidos pelas grandes corporações a fim de incrementar os dados oficiais sobre o mercado de trabalho, sempre no sentido de tentar minimizar a realidade do desemprego. Vide a semicolônia Brasil, cuja gerência de turmo, petista, arrota "pleno emprego" nos discursos feitos em Brasília, ainda que a realidade do campo e das cidades seja a do subemprego, do trabalho precário, "informal", com salários de fome e direitos historicamente conquistados pelas classes trabalhadoras sendo diária e sistematicamente destruídos pela dobradinha oportunismo-patrões.

Não obstante toda a contrapropaganda de sempre sobre os programas de estágio e trainee, que visa, por prestidigitação, transmutar a exploração do homem pelo homem em um mar rosado de "oportunidades" e "ascensão social", um episódio dramático e extremo ocorrido em Londres, Inglaterra, há poucas semanas, destes que chamam a atenção para um mal corriqueiro e generalizado, dá conta da realidade da utilização da mão de obra jovem pelas velhas raposas empoleiradas nas chefias das grandes corporações transnacionais ora agonizando em crise, da alardeada "meritocracia" cultivada pelos detentores do grande capital e do que um jovem hoje precisa fazer no mundo do sistema capitalista internacional para ter um salário decente no fim do mês.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin