Do passo à criação

Atriz, dançarina e professora de danças populares brasileiras, Beatriz Miguez busca valorizar as peculiaridades e qualidade do movimento de cada indivíduo. Propondo uma experiência investigativa e criativa por meio do diálogo entre as danças tradicionais brasileiras, a linguagem do teatro e a dança contemporânea, Beatriz acredita que as danças populares são a base da cultura brasileira.

http://www.anovademocracia.com.br/118/15.jpg

— O interesse pelas danças populares começou ainda na faculdade. Tive a oportunidade de fazer uma oficina com o mestre Tião Carvalho, que é do Maranhão, atualmente mora aqui em São Paulo, no morro do Querosene, e desenvolve um trabalho de boi lá. Nessa oficina que vi o caroço, coco, bumba meu boi, e foi paixão a primeira vista por esse universo. Fui tomada por um certo encantamento — fala Beatriz.

— Depois fui parar no Teatro Brincante e tive uma trajetória bem bacana lá. Comecei fazendo curso livre, depois o curso de formação de brincante, que nos direcionava a dar oficinas dentro de escolas, SESCs, etc., me proporcionando começar a desenvolver um trabalho de educadora — continua.

O Teatro Brincante foi criado pelo músico e ator Antônio Nóbrega. É um espaço onde inúmeras manifestações artísticas brasileiras são estudadas e trabalhadas.

— No último ano que estive no Brincante, 2011, trabalhei diretamente como o Nóbrega como dançarina profissional, fazendo parte do filme Brincante, que fala da sua vida artística. A partir dessa vivência que tive lá é que comecei a fazer conexões do universo da dança popular com meu repertório como atriz — explica Beatriz.

— Não era dançarina antes, a dança veio para mim exatamente através desse estudo que chamo de artificial, por ser em uma sala e não direto com os mestres nas comunidades. Só depois de uns dois ou três anos no Brincante que fui, com um grupo de amigos, visitar os lugares onde essas danças acontecem de forma natural, fazendo parte da vida das pessoas de lá — conta.

— E isso foi mais uma grande descoberta e rico aprendizado, porque aprender frevo com pessoas que estudaram com grandes mestres do Recife é bem diferente. Quando se chega lá, logo se vê essas manifestações bem claras, do jeito que elas são. E é muito bacana , porque a pessoa percebe que existe uma riqueza muito grande — continua.

Beatriz diz que existem alguns princípios nas danças populares brasileiras que podem servir de ferramenta dentro de um processo de criação de ator.

— Se a pessoa pegar um frevo, por exemplo, vê a forma do passo que é a mecânica, mas, o que me interessa mais não é a mecânica pela mecânica, e sim o que gera aquele movimento, quais são os princípios corporais que levam o corpo a se mover daquela forma — explica.

— Dessa forma se tem várias qualidades, característica que cada uma dessas danças tem, e cada uma dessas formam um vasto repertório de sotaques, movimentos, matrizes, um material enorme que favorece o processo de criação de um ator, dançarino, e também dentro do um processo pedagógico, de uma aula de dança, de teatro. São ferramentas para o processo criativo — continua.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin