É impossível aprisionar a juventude

A- A A+
http://www.anovademocracia.com.br/118/04a.jpg
Grafite exige a liberdade para Bruno Torres.

O governo fascista de Eduardo Campos (PSB) declarou guerra aos estudantes que lutam pelo passe livre em Recife. Desde o protesto de 21 de agosto, o governador e seu secretário de "defesa social" não têm medido esforços em conter a rebelião popular. Proibiram o uso de máscaras e aumentaram dramaticamente a repressão policial. No dia 7 de setembro, como em todo o Brasil, até a grande mídia foi alvo dos ataques dos agentes fardados, nove pessoas foram presas. Mas os manifestantes não se deixaram intimidar. Após a dispersão, boa parte se reagrupou e se dirigiu até a Delegacia de Santo Amaro, onde recebeu muito apoio de populares. Só arredaram o pé de lá quando todos os jovens foram soltos.

A repercussão da brutalidade da polícia obrigou o governo estadual a suspender a ilegal proibição de máscaras. Esta foi mais uma vitória para os estudantes. Mas a luta não parou por aí e não é agora que a polícia terrorista vai deixar de usar sua truculência habitual.

2 vidraças quebradas
16 estudantes presos

http://www.anovademocracia.com.br/118/04b.jpg
Mobilização em frente ao COTEL.

No "9º Ato pelo passe livre e contra a repressão policial de Eduardo Campos!", dia 18/09, o secretário de "defesa social", Wilson Damázio, mobilizou mais de 500 policiais para acompanhar a manifestação. Tinha mais polícia do que gente! E impediu a chegada até a prefeitura fechando com uma trincheira à cem metros do prédio. "Já que o prefeito não quer nos ouvir a cidade vai parar!", diziam alguns deles. Os estudantes voltaram, então, em passeata pela contra-mão, atrapalhando, e muito, a movimentação da polícia. Os policiais chegavam sempre atrasados. Lixos foram queimados, palavras de ordem gritadas, e cada vez mais a população aderiu ou simpatizou com a manifestação. Ao passar pela Av. Cde. da Boa Vista com a Rua Soledade, o segurança do VEM – serviço de bilhetagem eletrônica, apontou uma arma de fogo para os manifestantes, que reagiram com pedras contra o edifício.

Era a desculpa que a polícia queria para atacar e prender quantos estudantes conseguisse. Atiraram balas de borracha a esmo e tentaram atropelar os manifestantes com motocicletas, como tinham feito no 7 de setembro. Um PM chegou a sacar o revólver para intimidar uma manifestante. 16 pessoas foram presas, entra elas 7 menores e 3 surdos, acusados de depredação e resistência. Todos foram levados à GPCA (Gerência de Polícia da Criança e do Adolescente).

Os outros manifestantes, juntamente com os advogados populares, seguiram para lá em apoio a seus companheiros. Durante toda a noite e pela manhã, a vigília permaneceu esperando fielmente a libertação dos companheiros presos. No final da madrugada, as articulações para o pagamento das fianças levantaram os R$ 6.300 estipulados pelo delegado de plantão, depois de muita pressão dos advogados para diminuir ao máximo o valor das fianças.

Porém, por ordens superiores, diga-se, de Wilson Damázio, Bruno Torres, editor do blog Vermelho à Esquerda e militante da Unidade Vermelha, teve mais um crime imposto em seu inquérito: corrupção de menores, que somado aos outros dois o deixou sem direito a pagar fiança. E numa tentativa de golpear todos os estudantes em luta e intimidar as próximas manifestações pelo passe livre, ele foi enviado ao presídio COTEL – Centro de Triagem Professor Everardo Luna.

Vigília da liberdade

http://www.anovademocracia.com.br/118/04c.jpg
Manifestantes em vigília pela liberdade de Bruno Torres.

Logo começaram as mobilizações para a vigília em frente ao COTEL, na cidade de Abreu e Lima, Região Metropolitana do Recife. Os solidários com o companheiro encarcerado permaneceram em vigília durante dois dias e duas noites. Colaram cartazes e uma faixa no muro do presídio pedindo a libertação de Bruno e punição aos torturadores do regime militar fascista e do governo Eduardo Campos. Bruno alegrou-se ao saber que seus companheiros estavam fazendo vigília pela sua libertação e escreveu uma carta em quatro guardanapos de papel explicitando seus sentimentos de luta.

Na carta ele fala da solidariedade dos companheiros de cela e do descaso do Estado para com os presidiários, em grande parte inocentes (fato assumido pelos próprios agentes penitenciários!), da grande quantidade de negros e pobres presos:

"NÃO PERMITO que caiam em qualquer sentimentalismo pequeno-burguês de se limitarem a lutar porque um companheiro (e amigo) caiu, lutem não só por mim, mas em prol de toda população carcerária injustiçada, e do povo explorado, nossa luta não consiste na libertação de um, mas sim pela libertação do povo. Não me decepcionem."

Ele finaliza a carta afirmando que prometeu aos companheiros de cárcere que não se esqueceria deles.

Um Luau da Liberdade foi programado para a noite de sábado para domingo o que deixou o Estado reacionário de cabelo em pé. A pressão política da vigília, juntamente com os esforços dos advogados populares, arrancou um parecer favorável do MPPE (Ministério Público de Pernambuco), e o juiz de plantão concedeu a liberdade provisória na tarde do sábado, causando comoção entre os companheiros que aguardavam ansiosos na vigília.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Com a notícia de que Bruno seria libertado ainda no sábado, mais pessoas começaram a chegar, juntamente com os familiares dos demais presos, já que domingo é dia de visita. O Luau da Liberdade se transformou numa festa de comemoração com bandeiras tremulando e palavras de ordem ecoando em frente ao cárcere. A emoção tomou conta e o momento não poderia ser mais bonito. Os manifestantes gritaram: "Liberdade já para todos prisioneiros!". Nada poderia ter instigado mais os familiares dos presidiários a cantarem junto e aplaudir o companheiro Bruno quando ele saiu pelos portões da casa de ferro.

Os reacionários ficaram logo temerosos e ameaçaram não fazer a lista dos visitantes até a saída dos manifestantes da frente do presídio. A comemoração seguiu para o Recife Antigo. Bandeiras tremularam durante o show da Banda Palafitas, que homenageou Pedro Pomar e outros revolucionários. E ainda rolou rimas de improviso mandadas pelo companheiro Bruno e uma roda punk de mascarados! Para fechar a comemoração: mergulho no encontro do Capibaribe com o mar no início do dia!

Esta foi mais uma vitória da juventude rebelde do Recife, que não se deixa abater pelas arbitrariedades do governo fascista de Eduardo Campos. Como disse o companheiro Bruno: "Ideias são à prova de bala e de prisão". Não importa quantos verdugos eles mandem, quantos processos ele imponham, a juventude sempre se levantará e sairá vitoriosa.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja