Europa nas ruas contra políticas antipovo

A ilha da Grã-Bretanha, que nos últimos anos vem sendo palco de retumbantes marchas de trabalhadores e estudantes em defesa dos direitos e do patrimônio do povo, ambos em processo acelerado de dilapidação – não bastassem os anos de guerra aberta às empresas públicas e aos sindicatos, declarada pela recém-morta Margaret Thatcher e os períodos subsequentes de incessantes políticas anti-povo levadas a cabo por John Major e pelos “trabalhistas” Tony Blair e Gordon Brow –, dilapidação em curso sob a égide do “primeiro-ministro” da vez, David Cameron, voltou a tremer sobre o mar do Norte e sob os pés das multidões no último 29 de setembro.

Naquela data, mais de 50 mil pessoas (isso segundo estimativas da polícia!) juntaram-se em uma gigantesca marcha pelas ruas da cidade industrial de Manchester, no norte da Inglaterra, em justo protesto contra os cortes nos serviços públicos e contra a privatização do serviço nacional de saúde. Foi uma das maiores manifestações populares da história de Manchester.

A marcha dos 50 mil em Manchester foi marcada para o mesmo dia da abertura do congresso do Partido Conservador, de David Cameron, que vem promovendo no SNS, o serviço nacional de saúde britânico, uma criminosa destruição de um serviço público essencial a níveis só comparáveis a depredações de sistemas de saúde levadas a cabo nas semicolônias do mundo por exigência dos organismos do capital financeiro internacional, como o FMI. Um número em especial dá conta da dimensão da infâmia: só nos últimos três meses, 21 mil trabalhadores do SNS perderam os seus empregos.

Entre outras medidas da administração fascista de David Cameron anunciadas recentemente estão o fim do segurodesemprego para jovens com menos de 25 anos de idade (o desemprego galopante em toda a Europa vem castigando sobretudo os trabalhadores mais jovens) e novas leis para peneirar os imigrantes de acordo e exclusivamente segundo os interesses das empresas capitalistas britânicas e para deportar os estrangeiros que não interessam a essas mesmas companhias.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro