Respeite o sino do samba

Criado pelo percussionista, pesquisador, gestor e militante cultural de Guarulhos, SP, Carlos J. Fernandes Neto, o Movimento Cultural Samba do Sino engloba pesquisas do samba, rodas, bloco de carnaval, sarau, e uma série de atividades junto à comunidade local. Interagindo com sambistas do estado de São Paulo, o Samba do Sino amplia sua área de atuação através do Samba Acadêmico, programa de rádio nos mesmos moldes.

http://www.anovademocracia.com.br/119/15a.jpg

Venho da linguagem cultural do teatro, isso desde a década de setenta. A preocupação com o samba surgiu quando fiz, para o meu trabalho de conclusão na universidade, a tese: A defesa da identidade cultural do povo brasileiro. E não dá para se buscar essa identidade se não falar do samba — afirma Carlos. 

Se considerarmos que a história do samba começou com os batuqueiros, diremos que ele tem mais de 400 anos. Teve seu primeiro momento com os africanos nascidos livres e trazidos escravos para o Brasil, tocando seus instrumentos de percussão. Onde houve um escravo, houve o samba, assim, ele é originário de todo o território nacional — continua.

Influenciado por essa primeira pesquisa, Carlos fundou o movimento Samba do Sino.

Começamos revivendo a história do bairro onde estamos, através de fotos antigas, personagens, depoimentos, e aliado a isso uma pesquisa do samba, contando sua história, curiosidades, personagens — conta.

Através dessa pesquisa estamos fazendo um mapeamento do samba, e cada dia surge um sambista que não conhecíamos, e um ‘novo samba velho’ que queremos trazer para a nossa realidade e tocar. Vassourinha, por exemplo, foi um sambista paulista que morreu com 17 anos, e com 14 já fazia rádio — continua.

Carlos diz que com o Samba do Sino sentiu necessidade de fazer um bloco carnavalesco, porque o que se vê hoje é um carnaval isolado.

A pessoa só samba na avenida se tiver dinheiro para comprar a fantasia ou os ingressos. Da mesma forma, nos blocos carnavalescos tem os cordões de isolamento e a compra dos abadás, coisas assim. Neste ano saímos pela primeira vez com o bloco pelas ruas do bairro com uma banda tocando marchinha — conta.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin