Viola: instrumento de expressão

Violeiro, cantador e compositor oriundo de Salinas, no Vale do Jequitinhonha, MG, Joaci Ornelas usa a viola para trabalhar várias linguagens musicais, sempre cantando sua "aldeia" e a impressão do mundo a sua volta. Integrante do grupo Viva Viola e prestes a lançar seu segundo disco solo, Joaci também prepara um trabalho dedicado ao mundo das crianças.

http://www.anovademocracia.com.br/119/14a.jpg

As primeiras informações musicais, culturais, que tive foi no Vale através das folias, cantigas de roda, batuques, festas populares que ainda são muito frequentes no norte e nordeste de Minas. Mas naquela época de infância não existia toda essa tecnologia que tem hoje nas casas, então as pessoas tinham mais tempo e interesse em se relacionar — recorda Joaci.

Mudamos para Belo Horizonte e fui estudar teoria musical, violão, canto. Ouvia de tudo, principalmente o pessoal do Clube da Esquina, e as coisas foram acontecendo. Conheci os violeiros Pereira da Viola e Renato Andrade e consequentemente tive um contato mais direto com a viola caipira, de 10 cordas — continua.

A viola fez todo um sentido para ele, conforme diz, porque o remeteu as suas primeiras informações musicais.

A construção do meu trabalho a partir da viola foi algo razoavelmente natural, e hoje está ligada a ele de forma essencial. Eu já fazia música, tinha uma certa carreira com toda essa riqueza da cultura popular, e redescobri-la foi parte desse caminho — explica Joaci.

Utilizo a viola como um instrumento ligado ao meu processo de arte, de músico, consequentemente também de vida. Me possibilita fazer uma sonoridade em qualquer estilo, inclusive a própria música caipira. Digo que nunca fui um violeiro caipira, porém, nunca deixei de ser, porque se uma pessoa ouvir minhas músicas sentirá que isso está no processo de formação — diz.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro