Rio: “Revitalizar” para o capital financeiro

http://www.anovademocracia.com.br/119/05.jpg

A zona portuária do Rio de Janeiro, após anos de abandono, está sendo revitalizada. Para a realização do projeto, a prefeitura concedeu os direitos de exploração a um consórcio formado por várias empresas, a Porto Novo. A concessionária terá direitos sobre a exploração até 2025 e deve realizar obras na região, revitalizando-a econômica e culturalmente. A ideia é remodelar toda a região portuária, a exemplo do que ocorreu em Barcelona e Buenos Aires.

Os projetos de "revitalização" de zonas "degradadas", muitas vezes zonas portuárias, obedecem a uma tendência mundial. Segundo a professora e pesquisadora Sharon Zukin, da Universidade da Cidade de Nova Iorque, "Nos últimos anos, as pressões para o ajuste às normas do mercado global têm criado programas de reestruturação urbanas surpreendentemente similares. (...) Em qualquer região do mundo, a paisagem resultante é, ao mesmo tempo, mais similar ou global, e mais diferente ou local do que antes parecia ser".

Teoricamente, este processo tem sido chamado de gentrificação. O termo começou a ser utilizado na década de 1960 pela socióloga britância Ruth Glass. Ela observou que a classe média britânica começava a abandonar os subúrbios residenciais nos quais havia se refugiado nas décadas anteriores e retornava ao centro da cidade, antigo e desvalorizado, modificando a composição social do local. Em resumo: saiam os pobres e entrava a classe média.

Este foi um processo que começou nos anos de 1960 em Londres e no USA e que nas décadas posteriores se espalhou pelo mundo. Em geral, para promover essa remodelação das políticas urbanas há uma associação entre o Estado e o capital financeiro. O Estado, na maior parte das vezes, atua em ações de revitalização do patrimônio histórico e o capital financeiro, por sua vez, transforma a memória e história da cidade em mercadoria cultural. E uma mercadoria a ser vendida muito cara.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro