Faleceu o general Vo Nguyen Giap

A- A A+
Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Em 4 de outubro, aos 102 anos, morreu o general Vo Nguyen Giap, que, junto de Ho Chi Minh, são as mais destacadas figuras da história do Vietnã. Ho Chi Minh havia encarregado Giap da tarefa do trabalho militar de organização do exército guerrilheiro popular de libertação. Giap então iniciou a conformação dos primeiros grupos armados e foi à para a China em 1939, para conhecer a experiência e adquirir conhecimentos militares. Após a expulsão dos invasores japoneses em 1945 e o fracasso da insurreição de Saigon pela tomada do poder se toma a decisão pela estratégia da guerra popular e do caminho do campo à cidade.

A guerra de resistência e libertação contra o colonialismo imperialista francês ganhou grande vulto com a heróica batalha de Diem Bien Phu, em 1954, sob sua condução, que culminou com a vitória e o acordo com que se estabeleceu a Repúplica Democrática do Vietnã, ficando dividido o país em dois Estados de regimes opostos. No "Vietnã do Sul" o imperialismo ianque montou o regime títere dos reacionários vietnamitas. Tendo o norte como base de apoio, Giap comandou o prosseguimento da resistência pela expulsão total dos ianques e a conquista do poder em todo país, numa das mais tormentosas guerras da atualidade que triunfou em 1975.

Contudo, o destacado estrategista militar marchou com a maioria da direção do partido para posições revisionistas do PCUS de Brejnev. A direção vietnamita caminhou para posições chauvinistas a ponto de prestar-se a servir de tropa de ocupação do social-imperialismo soviético. O Exército do general Giap, há três anos apenas de expulsar os ianques do Vietnã, invadiu o Camboja Democrático para derrubar o poder popular liderado pelo Khmer Vermelho.

Porém, o Exército vietnamita, em seu afã de força agressora, viu cair por terra toda a moral que conquistara na guerra de libertação. Os cambojanos abandonaram as cidades ao invasor, retirando-se para o campo, para resistir com a guerra popular. Numa entrevista ao jornal Folha de SP de maio de 1995, respondendo à afirmação de que com as armas de guerra modernas a guerra popular teria perdido sua validez, o próprio general Giap afirmara enfaticamente que "não surgiu ainda uma arma para derrotar a guerra popular", por ser esta "uma guerra justa e de todo o povo".

Apesar de ocupar a capital Phnon Phen e outras cidades, o exército do general Giap acabou derrotado nos anos de 1980 pela guerrilha do Khmer Vermelho, que travava uma guerra justa e de todo o povo, dirigida pelo Partido Comunista do Campuchea (Camboja), sob a liderança de Pol Pot.

Carecemos de informações cabaissobre a posiçao de Giap. O fato é que ele ocupava altos postos de direção no partido, no exército e no governo do Vietnã. Giap foi afastado de seus postos e se tornou um personagem incômodo para os revisionistas. Segundo a imprensa, ele teria declarado em alguma oportunidade que o Partido Comunista Vietnamita se tornara uma "alcova de corruptos". Até onde ia sua crítica e avaliação sobre as causas da degeneração revisionista desconhecemos. Sem dúvida alguma sua experiência deve ser conhecida e estudada por todos aqueles que lutam contra o imperialismo e pela revolução, para tirar todas as lições positivas e negativas desta. 

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja