O futebol e a atualidade do racismo

A- A A+
Foto: site oficial do Vasco da Gama

O goleiro Moacir Barbosa, bode-expiatório da derrota de 1950

Encravado na sociedade de classes, de um modo geral, o racismo também se faz presente no futebol, essa parte do cenário esportivo que se transformou numa paixão mundial.

Criado na Inglaterra e trazido por Charles Miller para o Brasil em 1894, o futebol foi ganhando o seu encanto, mas seu passado e presente são cheios de momentos em que predominaram estratégias de alienação, nem sempre tão camufladas. "Esporte inglês, regras inglesas, nomes ingleses, nada mais natural que o primeiro match (jogo) de football fosse realizado entre ingleses e seus descendentes residentes em São Paulo. Assim aconteceu e os primeiros teams (times) se formaram em duas empresas inglesas: a Companhia de Gás do London Bank e a São Paulo Railway", recorda José Ricardo Prieto em Futebol e Modernização no Interior Paulista: Franca 1910-1922, monografia apresentada na Faculdade de História, Direito e Serviço Social da Universidade Estadual Paulista (Unesp).

Mas no futebol brasileiro, as primeiras evidências de racismo no esporte estiveram presentes numa fase muito importante de sua história: a passagem do amadorismo para o profissionalismo. Paradoxalmente, essa transição no esporte foi marcada pelo ingresso de atletas pertencentes às classes populares, proletarizadas, constituídas especialmente por negros e mestiços nas equipes.

Estudiosos do esporte revelam que o então denominado futebol "mestiço" sofreu muitas críticas, ganhando ainda a culpa pela perda dos títulos mundiais nas Copas de 1950 e 1954. Atribuída aos negros e mestiços que atuavam pela equipe brasileira a culpa da derrota nas duas competições, o racismo ainda foi justificado por um suposto desequilíbrio emocional dos atletas que apresentavam cor escura, logo nos jogos decisivos. Entretanto, este atrapalhado estigma foi derrubado nas Copas seguintes, em 58 e 62, quando a seleção brasileira conquistou os títulos mundiais com jogadores negros e mulatos.

Censura & racismo sofisticado

O futebol brasileiro é assim, cheio de conflitos silenciosos que não são vistos por quem está de fora dos esquemas políticos e financeiros. A culpa imposta aos jogadores mestiços de 50 e 54 é apenas um entre muitos episódios de racismo no futebol. Um povo de origem multirracial convive tão intensamente com problemas de preconceito. Surpreendente ironia? Absolutamente, porque os cartolas sabem que o futebol é do agrado do povo, cria torcidas, "partidos". Então, eles se aproveitam de noções mais amplas que circulam entre as massas, distorcem e fixam algumas delas, de preferência dogmas, fazendo-as passar por conceitos verdadeiros socialmente comprovados, mediante uma intensa propaganda.

Na imprensa brasileira, eventualmente, é discutido o problema da discriminação — mesmo assim, sem compromisso de causa, dando pouco enfoque aos casos relatados, o que gera acusações de conivência dos veículos de comunicação com a politicagem no esporte. Seguindo a mesma linha, pode ser comprovado que na Europa não se toca mais nessa questão; ela é estrategicamente omitida. Estudos realizados na comunidade européia concluíram que instituições e grupos da elite branca dominante (inclui-se a maior parte dos meios de comunicação) são aliados próximos na reprodução da desigualdade étnica. Com efeito, a imprensa faz uso de uma linguagem metafórica que reproduz discriminações com as quais tenta iludir a população, sofisticando enormemente o racismo.

O futebol, aqui no Brasil, é apresentado com uma questão nacional, de certa forma mais assimilada pelos atoleimados setores de classe média — que transitam entre o proletariado, o campesinato pobre e a camada inferior do campesinato pobre por um lado e, por outro, entre a burguesia inferior e proprietários de terra em decadência evidente. É fatal que ao sofrer a seleção de futebol uma derrota em competições importantes, esses setores são os mais passíveis de aceitar como réus (e a pena que os acompanha) os jogadores que denotam origem mais humilde, capazes de representar a responsabilidade pelo maior insucesso.

Bom jogador, mas...

O primeiro exemplo claro foi a Copa de 50, quando a seleção brasileira (ou como insistem os cartolas, o Brasil) era favorita ao título e ia disputar uma final como se estivesse apenas cumprindo uma obrigação para levantar a taça. Mas a equipe foi pega de surpresa e a derrota atribuída ao goleiro, o já falecido Moacir Barbosa, serviu para criar um estigma em relação aos goleiros negros que passaram a ser preteridos em relação aos goleiros brancos na seleção. Até mesmo o jornalista Mário Filho, na época, fez um comentário a respeito de Barbosa que reforçou a idéia: "... até que apareceu Barbosa, realmente um grande keeper (goleiro), grande tremedor, porém. Tremeu tanto num jogo contra os argentinos em 45 que teve de mudar o calção quando acabou o primeiro tempo."

A condenação de Barbosa não parou por aí e em uma frase o próprio goleiro comentou o seu castigo: "No Brasil, a pena maior por um crime é de 30 anos. Há 43, pago por um crime que não cometi." Sem surpresas, após sua morte o antigo goleiro continua crucificado. O episódio mais recente da discriminação racial contra Barbosa aconteceu em 1993, nas eliminatórias da Copa do 94, quando o ex-goleiro quis visitar os jogadores da seleção brasileira na concentração e dar um ânimo aos atletas, mas foi impedido de entrar no hotel.

Curiosamente, a seleção de 1982, tida pela maioria da população brasileira e jornalistas esportivos como uma das melhores equipes já formadas, era constituída em grande parte por jogadores brancos, universitários e oriundos da classe média. Atletas negros ou mestiços estavam reduzidos a quatro: Luisinho, Toninho Cerezo, Júnior e Serginho. Por coincidência ou não, esta seleção é elogiada até hoje, apesar de seu insucesso. As críticas, que surgiram aos borbotões, em nenhum momento visaram a pessoa dos jogadores.

Problemas mais evidentes de racismo na seleção brasileira, só voltaram a acontecer na Copa de 98, realizada na França. Na ocasião, foi a vez do atacante Ronaldo carregar a cruz. Tido como a esperança de gols da equipe, foram colocados sobre a sua cabeça os "esclarecimentos cabíveis": ele foi acometido por um mal estar súbito acompanhado por convulsão, momentos antes do jogo final contra a seleção francesa. A preocupação com o atacante que entrou em campo e a lembrança da cena de Ronaldo se debatendo durante a convulsão, teria abalado muito a equipe brasileira. O mal súbito foi o elemento usado pelo monopólio mundial dos meios de comunicação para tentar convencer a população a crucificar Ronaldo (era Ronaldinho) como "amarelão". Pode-se ver nos jornais do dia seguinte ao jogo manchetes que atingiam diretamente o atacante: "Ronaldinho amarela antes do jogo e abala seleção" (O Dia, 13/07/98).

Do popular só quero a bolsa

Na história do futebol há incontáveis momentos em que é feita a apologia do mais puro racismo. Vale citar a atitude de um clube que lutou para acabar com a segregação dos jogadores de origem popular: o Vasco da Gama. Na década de 20, o Vasco e alguns clubes do subúrbio carioca passaram a admitir negros e mestiços em seus quadros, sendo que o Vasco, diferente dos outros clubes pequenos, estava preparando uma equipe para desestabilizar a hegemonia — nos anos 20, o futebol era considerado um esporte das elites, representando as classes dominantes.

O clube da colônia portuguesa resolveu contratar o técnico uruguaio de renome chamado Ramon Platero e passou a adotar um programa de treinamentos revolucionário para a época. Eram dados assim os primeiros passos para o profissionalismo do esporte. A presença de jogadores negros e mestiços nos clubes pequenos era tolerada pela aristocracia, desde que não incomodasse o poder dos grandes clubes. Para as classes dominantes, era até bom jogar contra uma equipe formada por negros, mestiços e brancos pobres, uma vez que, ao derrotar esse time, estava sendo ratificada a preponderância de classe e de cor. No entanto, com o investimento feito pelo Vasco e a conquista do seu primeiro título do campeonato carioca de 1923, os clubes aristocráticos perceberam a força da equipe e passaram a criar barreiras para a sua permanência na Liga dos Clubes Amadores e, assim, exclui-lo do campeonato de 1924.

Alegando que os jogadores vascaínos eram profissionais e não amadores como todos os outros, tudo fizeram para retirar o Vasco da competição próxima. Na época, já o futebol gerava um grande lucro para os clubes e quantias significativas eram arrecadadas nos jogos realizados. A única remuneração dos atletas era feita na forma de gratificações, que passaram a ser incorporadas ao dia a dia do futebol com o nome de "bicho", coisa que se faz presente até hoje. Com tantas barreiras impostas à sua participação na competição realizada pelos clubes de elite (Flamengo, Fluminense, Botafogo, América e Bangu) a solução encontrada pelo Vasco foi se unir aos outros clubes excluídos e realizar um campeonato paralelo. Em 1924, houve um verdadeiro reboliço no futebol carioca, com a disputa de dois campeonatos simultaneamente.

As décadas de 20, 30, 40 e 50 foram muito turbulentas no futebol brasileiro, que guarda suas consequências até hoje. No Brasil de Pelé e Ronaldo, no "país pentacampeão", com uma equipe em grande parte formada por "mestiços", o jogador negro ou mulato continua a enfrentar o racismo — em geral, recebendo contratos e pagamentos inferiores aos dos brancos e não tendo no esporte uma garantia de ascensão social. É o que comprovou a tese de doutorado realizada pelo sociólogo José Jairo Vieira.

Uma pesquisa feita pelo sociólogo com 327 jogadores de 17 clubes do Rio de Janeiro, mostra que, enquanto 26,6% dos atletas brancos ganham um salário mínimo, entre os negros essa proporção é de 48,1%, quase o dobro. No alto da pirâmide salarial estão os brancos, com 24,8% de atletas ganhando mais que 20 salários mínimos, já entre os negros 17,1% recebem mais de 20 salários. O estudo de Vieira mostra ainda que o jogador negro não tem ascensão social imediata; 53,9% declararam ter melhorado sua condição socioeconômica. A mobilidade social é maior entre os brancos, onde 57,8% disseram ter "subido de vida".

A discriminação com os atletas negros

Segundo o estudo de Vieira, os salários dos negros costumam atrasar mais que o dos brancos, além de receberem menos convites para aparecerem ao lado dos dirigentes dos clubes, chegando até a ser tratados com desprezo pelos cartolas. Outra discriminação está no tratamento: macaco, crioulo, gorila. "Muitos nem consideram os apelidos discriminatórios. Ou seja, o racismo às vezes é tão velado que não é identificado nem pelas próprias vítimas", explicou o sociólogo José Vieira, que também é professor de sociologia do esporte na Universidade Federal de Viçosa — MG.

O estudo de Vieira, da mesma forma, confirma a rara presença de goleiros e técnicos negros na seleção brasileira, até hoje, correspondendo em proporcionalidade à ascensão de negros e mulatos na condição de classe no Brasil, como de resto acontece com toda a humanidade trabalhadora. Se o preconceito em relação aos goleiros aumentou, e permanece vivo, muito depois do episódio vivido por Barbosa, quanto aos técnicos cuja cor da pele denuncia, no mínimo, ancestrais trabalhadores, apenas dois foram admitidos no comando da seleção: Gentil Cardoso, em 1957, e Wanderley Luxemburgo — se é que este se considera negro ou "pardo".

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja