O que está em jogo na Libéria

A- A A+

Nações surgidas da dominação colonial — que começou em meados do século XV e o USA retomou com as invasões do Iraque e Afeganistão —, os Estados da Libéria e Serra Leoa compartilham sua origem "nacional".

Tudo começou quando os ingleses, inventores da "democracia moderna", se perguntaram, em 1762, o que fazer com os escravos das Antilhas que buscavam refúgio na metrópole, onde as leis não reconheciam a escravidão.

"Todo africano se sente na África como em sua casa", diziam os humanistas da época. Os ingleses resolveram o "problema demográfico" transportando os libertos para a "costa dos grãos", região da África Ocidental. Mas ali viviam temnes, mendes, lokos, sherbos, limbas, sussus, fulahs, konos e krios, povos pouco predispostos a entender as razões de John Locke e o "progresso".

A idéia serviu para que, em 1918, a American Colonization Society (ACS) do USA, motivasse com o projeto os grupos pró-escravistas que ansiavam livrar-se dos negros refugiados no norte e os anti-escravistas, que buscavam a cooperação com os sulistas.


A milícia liberiana é recrutada entre as crianças que vivem em orfanatos


A ACS comprou da Coroa Britânica um território vizinho à Serra Leoa, ao qual deram o nome de Libéria, onde viviam mandingas, kpelles, mendes, krués, golas, bassas e vais - sendo esses últimos criadores das poucas escrituras silábicas africanas. Foram transportados para a [Africa 26 mil libertos, que, protegidos pelos canhões da armada ianque, se apropriaram das terras mais ricas no litoral. A partir daí, os marines nunca titubearam quando se tratava de garantir a "democracia" na Libéria, levando a cabo várias intervenções.

Em 1841, um congresso liberiano que reunia 15% da população (e representava apenas os expatriados), proclamou a independência do "primeiro país democrático da África" e batizou a capital com o nome de Monróvia, em homenagem a um destacado membro da ACS, o presidente James Monroe - aquele da "América para os americanos".

Encrave colonial

A Libéria adotou uma Constituição desenhada em Harvard, uma bandeira com listras vermelhas e brancas e uma só estrela, similar à ianque (que hoje se aluga às empresas de navegação do "comércio global") e um escudo que diz: "A liberdade nos trouxe aqui". Para os nativos, no entanto, houve pouca liberdade. Durante muito tempo somente os proprietários de terra podiam votar e os 45 mil descendentes de ex-escravos constituíram a classe dominante. Os "negros da costa", intermediários das empresas ianques, auxiliaram na exploração e saque dos riquíssimos recursos do país (borracha, ferro, ouro, diamantes, café, cacau, azeite de palma, madeiras finas e grãos) pelos monopólios ianques.

De 1925 a 1960, a Libéria esteve dominada sob a forma de encrave colonial pela empresa de pneus Firestone and Rubber Company, de Akron, Ohio, que semeou a maior plantação de caucho (borracha) do mundo. A Firestone e a elite liberiana aplicaram sistemas de trabalho escravo, forçado e semiforçado que, nos anos 30, foram causa de graves denúncias na Liga das Nações. O mesmo aconteceu com o petróleo, diamante e ferro.

Nos anos 60, o descobrimento de grandes riquezas no subsolo e o aluguel da bandeira para navios cargueiros ianques fez crescer a economia, sendo logo chamado de "milagre". Porém, esse milagre só atingiu o setor "americano" da população.

A guerra civil

Durante 120 anos (1860-1980) o único partido político liberiano foi o True Wigh Party, sem que nenhum organismo humanitário ou de "dissidentes" questionasse seu papel como força corrompida da elite ianque-liberiana. Coisa que foi possível em abril de 1980, com a sublevação do líder tribal nacionalista Samuel Doe, um sargento "pré-moderno". Mas o sargento Doe conseguiu o status de "administração moderno" quando autorizou a instalação de bases do Pentágono para o controle do Atlântico, uma estação de rádio que emitia a "Voz da América" e o centro de comunicação de todos os serviços de inteligência de Washington, na África.

A partir de 1980, um processo de abertura democrática trouxe consigo o primeiro acordo com o FMI e suas consequências inevitáveis: queda das exportações, desemprego, redução dos salários, crescente endividamento externo, etc.

Doe enfrentou, em nove anos (1980-1989), nada menos que nove tentativas de golpe, sendo, por fim, morto em 1990 por tropas da Frente Nacional Patriótica da Libéria (NPFL), dirigida por Prince Johnson e Charles Taylor. Várias cisões e arranjos de forças fizeram com que Taylor conseguisse a presidência somente em 1997. Desde então, aparece a LU RD (Liberiano Unidos pela reconciliação e Democracia) que há três anos iniciou a ofensiva para derrubar o presidente Taylor, que está sendo indiciado por crimes de guerra em Serra Leoa.

As forças da LURD sitiam a Monróvia desde o dia 15 de julho e conseguem avançar. O USA quer que os demais paises africanos enviem tropas para "pacificar" o país, mas até agora só enviou soldados para evacuar a embaixada ianque na capital sitiada.

A esperança de vida na Libéria é de 48 anos. É o sexto lugar mundial em mortalidade infantil (235 por mil), renda per capita de 1,36 dólar por dia, 200 mil mortos e mutilados por guerras civis que não acabam em um país de 3,3 milhões de habitantes.

A milícia liberiana é, basicamente, recrutada entre as crianças que vivem em orfanatos e são treinadas na tortura e práticas criminosas abomináveis.

As acusações de que os vários grupos estejam ligados ao imperialismo se sucedem sem que haja uma certeza de quem serve a quem. O certo é que a guerra na Libéria não é uma revolução, nem mesmo democrática.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja